Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Indonésios usam o A-29 em treinamento de ataque noturno

No período de 25 a 29 de junho, o Esquadrão Nº 21 (Skadron Udara 21), da cidade de Malang, segundo maior centro urbano de Jawa Timur (Java Oriental), na Indonésia, empregou os seus turboélices de ataque A-29B Super Tucano em um treinamento noturno de apoio aéreo aproximado.


Por Roberto Lopes | Poder Aéreo

De acordo com o portal de notícias TimesIndonesia, os aviões foram empregados como caças táticos.

A-29 Super Tucano indonésios | Reprodução

Eles decolaram da Base Aérea Abdul Rahman Saleh, sede da unidade, e cumpriram incursões sobre a área do Air Shooting Range (ASR) de Pandanwangi, no distrito de Lumajang, a 68 km de distância do aeródromo (que também abriga um movimentado terminal aeroportuário, usado por turistas).

No ASR os aviões lançaram bombas não guiadas de propósitos gerais tipo Mk.81, de 250 libras (118 kg), e usaram armas calibre 12,7 mm, “martelando” alvos em terra.

De acordo com o coronel Andi Wijaya, na Aviação Militar da Indonésia o exercício é classificado como de adestramento individual, e visa aumentar a proficiência dos pilotos de combate, que usaram óculos de visão noturna .

Eles também exercitaram as comunicações com um guia da missão instalado na base.

Os A-29B da Força Aérea da Indonésia tornaram-se plenamente operacionais há cerca de dois anos, substituindo os veteranos bimotores de reconhecimento e ataque OV-10 Bronco, de fabricação americana.

Segundo o TimesIndonesia, os exercícios do mês passado também serviram ao desenvolvimento de novas táticas de “ataque aéreo direto”, que serão testadas, proximamente, contra grupos guerrilheiros que atuam em território indonésio.

Os raids terroristas em Java Oriental são frequentes. Em maio último, o esquadrão anti-terrorista do governo indonésio matou o quarto suspeito de praticar um atentado que matou 28 pessoas, inclusive 13 homens-bomba – segundo o portal The Jakarta Post, todos pertencentes à organização Jamaah Ansharud Daulah, ligada ao Estado Islâmico.

Queda 

Um lote inicial de Super Tucanos, formado por oito unidades, foi encomendado por Jacarta no dia 10 de novembro de 2010. Os quatro primeiros foram entregues a 6 de agosto de 2012.

Durante o evento de recepção dos aparelhos pela Força Aérea da Indonésia, a companhia brasileira Embraer confirmou o fornecimento de uma segunda partida desses aparelhos, agora formada por oito “Tucanões” A-29B.

A metade inicial desse segundo lote foi formalmente aceita pelos militares indonésios a 2 de novembro de 2015.

Os 16 Super Tucanos custaram cerca de 260 milhões de dólares ao governo indonésio, mas, em fevereiro de 2016, um aparelho caiu em uma zona residencial de Malang, matando seus dois pilotos e uma pessoa em terra – o que provocou uma minuciosa investigação, de resultados nunca divulgados.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas