Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Israel ameaça Gaza com 'operação militar grande e dolorosa'

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, alertou sobre uma possível "grande e dolorosa" operação militar na Faixa de Gaza, acusando o Hamas de provocá-la.


Sputnik

Por meio da força militar, sanções econômicas e ameaças verbais, os israelenses estão tentando impedir os islamistas de lançarem balões e pipas com dispositivos incendiários que causam inúmeras queimadas em áreas da fronteira do Estado judeu.

Tanque israelense dispara contra a Faixa de Gaza (foto de arquivo)
Tanque israelense dispara contra a Faixa de Gaza © AP Photo / Baz Ratner

"Os jornais escrevem que as guerras não começam por causa de pipas e incêndios, mas qualquer pessoa sã que veja um bosque ou milhares de dunums [unidade de medida de área] de terras agrícolas, concordará que essa situação é anormal", disse Lieberman aos repórteres durante viagens à cidade fronteiriça de Sderot.

"Os líderes do Hamas estão nos levando a uma situação em que não teremos escolha quando tivermos que conduzir uma operação militar grande e dolorosa", advertiu.

O ministro avisou que a nova campanha poderia ultrapassar o âmbito e as consequências da última grande operação em Gaza, que há quatro anos atrás tirou a vida de mais de 2 mil palestinos e 70 israelenses.

Ele orientou os moradores do enclave a exercer pressão sobre seus governantes e forçá-los a parar de provocar incêndios e distúrbios nas fronteiras.

Respondendo a uma pergunta de um dos jornalistas, Lieberman deixou claro que Israel não conduz negociações diretas com o Hamas sobre a Faixa de Gaza, mas está em contato com todas as "partes relevantes", incluindo o Egito e o enviado especial da ONU para o Oriente Médio, Nikolai Mladenov, que, segundo a mídia, está tentando neutralizar a situação.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas