Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Lei israelense que congela fundos à Palestina é 'declaração de guerra', diz porta-voz

As autoridades palestinas interpretam nova lei israelense estipulando o congelamento de fundos para a Palestina como uma "declaração de guerra" contra seu povo, disse o porta-voz do líder palestino Mahmoud Abbas, Nabil Abu Rudeineh.


Sputnik

"Se esta decisão for implementada, isso resultará na adoção de decisões importantes pela Palestina para neutralizar essa decisão perigosa, porque a questão diz respeito às linhas vermelhas, que não devem ser abordadas nem cruzadas. [A decisão] é uma declaração de guerra ao povo da Palestina, seus defensores, prisioneiros, aqueles que pereceram, que carregavam uma bandeira de liberdade para o bem de Jerusalém e o estabelecimento do Estado Palestino independente", disse o porta-voz em um comunicado, citado pela agência de notícias Ma'an.

Bandeira da Palestina
Bandeira da Palestina © REUTERS / Juan Medina

Na segunda-feira, o Knesset adotou uma lei para congelar parcialmente os fundos transferidos mensalmente à Autoridade Palestina. A legislação estipula o congelamento de um montante equivalente a 1/12 do total de fundos pagos a prisioneiros palestinos e suas famílias no ano anterior.

De acordo com o projeto de lei, se for estabelecido que o lado palestino deixou de fazer tais pagamentos, o gabinete será autorizado a decidir se e quando os fundos congelados serão transferidos. Segundo os parlamentares, o próprio pagamento de fundos aos prisioneiros é uma "expressão de apoio a atos de terror".

As relações entre Israel e a Palestina estão tensas há décadas envolvendo a busca palestina reconhecimento diplomático por seu Estado independente nos territórios da Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, parcialmente ocupada por Israel, e a Faixa de Gaza.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas