Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Maduro apela aos militares para estarem prontos a repelir possível agressão dos EUA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apelou às Forças Armadas do país para que estejam preparadas para defender o território nacional e destacou que uma intervenção dos Estados Unidos jamais será uma solução para os problemas que a nação enfrenta.


Sputnik

"A Venezuela deve seguir defendendo seu direito de responder a seus próprios problemas com suas próprias soluções, jamais uma intervenção militar do império estadunidense será uma solução para os problemas da Venezuela", declarou o líder venezuelano durante uma cerimônia de promoção de militares no Panteão Nacional, no oeste de Caracas.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante desfile militar em homenagem ao 16º aniversário da volta do ex-presidente Hugo Chávez ao poder
Nicolás Maduro © AP Photo / Ariana Cubillos

Maduro se referiu a um artigo publicado pela agência Associated Press que diz, com base em fontes do governo dos EUA, que, em 2017, o presidente Donald Trump considerou invadir militarmente a Venezuela.

O presidente venezuelano recordou que naquele momento o governo venezuelano denunciou esses planos e que parte da campanha psicológica e midiática contra o povo venezuelano visa subestimar estas advertências, escreve a emissora YVKE Mundial Radio.

Por isso, o mandatário apelou aos almirantes e generais para que se mantenham em alerta e vigiem o território venezuelano por terra, mar e ar.

"Nossas Forças Armadas Bolivarianas não podem baixar a guarda nem por um segundo porque defendemos o maior direito que a pátria tem na sua história, o maior direito que o nosso povo tem, que é viver em paz, com dignidade, com nossa própria identidade", afirmou Maduro.

Maduro afirmou que as informações sobre os planos dos EUA provam suas afirmações de que Washington planeja uma invasão militar da Venezuela para capturar suas reservas de petróleo. 

O diretor do Centro da América Latina Hugo Chávez, Egor Lidovsky, comentou os apelos do líder venezuelano em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinando que o país tem todas as razões para se preocupar.

O analista lembrou anteriores casos em que Washington invadiu outros países cujas autoridades contradiziam os interesses americanos, em particular o caso da Líbia e de seu líder Muammar Kadhafi, que foi "denegrido e eliminado".

"A Venezuela, naturalmente, está em perigo, pois representa a maior ameaça para os EUA na América Latina — possui um exército muito bom e poderoso. Os EUA não têm como neutralizar o país politicamente, por isso a única opção que resta a Washington é a invasão militar", sublinhou o especialista.

Na opinião de Lidovsky, para preservar e proteger a sua independência e o seu caminho, a Venezuela precisa de reforçar o exército e mobilizar as forças para estar pronta a repelir qualquer ameaça.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas