Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

Marinha Real Britânica perdeu metade dos navios desde 1990

O número de navios da Marinha Real (Royal Navy) foi reduzido pela metade nos últimos 25 anos, provocando temores de que a Grã-Bretanha não domine mais os mares.


Poder Naval

Segundo dados oficiais, havia 11 submarinos e 66 navios de superfície na Marinha Real em abril de 2013, cinco navios a menos que em 2010.

HMS Somerset, fragata Type 23
HMS Somerset, fragata Type 23

Dados do mesmo ano também revelam que o número de porta-aviões foi reduzido de dois para zero.

Em 1990, a Marinha Real Britânica tinha uma frota de 138 navios e 33 submarinos, o que marca uma preocupante retração de 60% no número de navios de guerra que a Marinha tem agora, revelaram números do Ministério da Defesa.

Destróieres da Marinha também foram cortados de 13 unidades para apenas seis em um período de 25 anos, bem como fragatas, das quais 12 das 25 foram perdidas, reduzindo o total para 13.

A redução nos navios da Marinha está relacionada a cortes no orçamento de defesa, o que significa que os britânicos não podem ter as 2.000 embarcações que a Marinha Real Britânica teve durante a Segunda Guerra Mundial, mas o declínio nos navios de guerra chegou a um ponto em que o Reino Unido não pode mais reivindicar ser o mestre dos mares.

Entre 1988 e 2013, o PIB fez com que os gastos com defesa fossem reduzidos quase pela metade, colocando o Reino Unido em risco.

Os gastos de defesa da Grã-Bretanha foram reduzidos a quase metade desde o fim da Guerra Fria, onde o orçamento caiu de 3,8% do PIB para apenas 2,2%, o que afetou o desempenho da Marinha.

Em 2017, a Marinha Real e os fuzileiros navais reais tinham 29.580 pessoas, significativamente menor do que a RAF, que tinha 30.850, e 78.410 do Exército.

Apesar dos cortes no orçamento de defesa, dois novos navios estarão nas águas em breve.

O HMS Queen Elizabeth é um deles e entrará em serviço em 2020 e é o mais poderoso navio de guerra a ser construído pelo Reino Unido, com 65.000 toneladas com uma velocidade máxima de 25 nós.

Embora os militares russos tenham ridicularizado o navio como “um alvo grande e conveniente”.

Mas enquanto os gastos com defesa foram reduzidos, o dinheiro dos contribuintes foi arrecadado para a saúde no mesmo período, de acordo com dados do Comitê de Defesa da Câmara dos Comuns.

A Grã-Bretanha é um dos poucos países europeus que não corresponde à meta de gastos de dois por cento do PIB da Otan em defesa.

A última vez que o fez foi em 2013, quando atingiu o pico de 2,2%, embora o governo tenha se comprometido a atingir a meta da Otan no futuro.

Mais cedo, Theresa May insistiu que a Grã-Bretanha continuará sendo uma “nação líder em defesa” em meio a relatos de que questionou o nível de capacidade militar de que o país precisa.

Após as negociações em Downing Street com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, a primeira-ministra disse que o Reino Unido manteria uma série de capacidades – incluindo convencional, cibernética e nuclear.

Ela disse que uma reportagem sugerindo que ela desafiou o secretário da Defesa, Gavin Williamson, a justificar o status do país como um poder militar “de primeira linha” não era “correto”.

O Financial Times relatou que a Sra. May havia enviado “ondas de choque” através do Ministério da Defesa depois de dizer ao Sr. Williamson que ele precisava repensar as capacidades que o Reino Unido precisava para uma força militar moderna.

Falando em coletiva de imprensa conjunta com o Sr. Stoltenberg, a Sra. May disse: “O Reino Unido é um dos principais membros da aliança Otan. Somos uma nação líder na defesa e isso vai continuar.

“Somos o segundo maior orçamento de defesa da Otan. Somos o maior orçamento de defesa da Europa.

“As reportagens que você leu não estão corretas. Nós continuaremos a ser o principal contribuinte para a aliança, mas também uma nação de defesa líder. Continuaremos a gastar 2% de nosso PIB em defesa.

“Continuaremos a contribuir de diversas formas através das capacidades convencionais, cibernéticas e nucleares”.

Express.co.uk entrou em contato com o MoD para comentar.

FONTE: Express.co.uk

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas