Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.
Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos des…

'Neste caso, tudo pode acontecer': analista comenta ameaças americanas ao Irã

O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou na segunda-feira (23) o Irã com consequências que "poucos sofreram algum dia na história". O cientista político russo Leonid Gusev opinou como a situação entre os dois países poderá se desenvolver.


Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional do presidente estadunidense, John Bolton, contou que falou na semana passada com Trump, e este prometeu que se o Irã agir de modo errado, "pagará um preço alto, que apenas poucos países do mundo pagaram".

As bandeiras nacionais dos EUA e do Irã
© AP Photo / Carlos Barria

Além disso, Trump através do Twitter advertiu Teerã sobre consequências que "poucos sofreram algum dia na história" se continuar ameaçando os EUA. Assim, o mandatário respondeu ao discurso do presidente iraniano, Hassan Rouhani, que apelou a Washington para "não brincar com fogo".

O cientista político russo Leonid Gusev falou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik sobre possíveis futuros cenários entre Teerã e Washington, lembrando que Trump criticou seu antecessor pela firmação do acordo nuclear iraniano durante sua campanha eleitoral.

Comentando sobre as medidas que os EUA poderão tomar contra o Irã, Gusev apontou para a reintrodução de sanções, descartando o uso de forças.

"Quanto ao uso de armamentos contra o Irã [pelos EUA], não se pode afirmar nada com certeza absoluta, pois a situação na região é em geral muito complicada […] Claro que nada pode ser negado. Talvez, tudo acabe em uma troca de ameaças verbais — assim como aconteceu com a Coreia do Norte, quando Trump continuou ameaçando, mas no último momento acabou se encontrando com [o líder norte-coreano] Kim Jong-un", disse Gusev.

Porém, acrescentou que o estado das coisas no Oriente Médio está pior do que na península coreana. Mesmo assim, o analista não descartou a possibilidade de algumas exceções.

"Neste caso, tudo pode acontecer", concluiu.

As relações entre Washington e Teerã se agravaram com a chegada ao poder de Donald Trump, que em maio deste ano anunciou a retirada dos Estados Unidos do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), conhecido como o acordo nuclear do Irã que deveria acabar com o programa nuclear de Teerã em troca do cancelamento das sanções internacionais contra o país.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas