Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Oito milhões de toneladas de explosivos seguem espalhadas por Mossul

Oito milhões de toneladas de explosivos seguem disseminadas na cidade de Mossul, a segunda mais importante do Iraque, um ano depois de ter sido libertada do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) pelo Exército iraquiano com o apoio das forças internacionais.


EFE

Genebra - Assim indica um estudo publicado nesta segunda-feira pela ONG suíça Handicap International (HI), especializada na atenção a pessoas descapacitadas por causa de conflitos, catástrofes ou situações de grave exclusão.

Resultado de imagem para mossul
Mossul, Iraque | Reprodução

A investigação feita por essa organização estabeleceu, por exemplo, que só no hospital de Al-Shifa de Mossul, há 1,5 mil restos de explosivos.

Entre outubro de 2016 e julho de 2017, mais de 1,7 mil ataques aéreos e 2,8 mil explosões afetaram a cidade, deixando uma quantidade sem precedentes de restos explosivos de guerra, aos quais se somaram as bombas artesanais plantadas como armadilha pelos jihadistas.

A HI lembra que ainda hoje os acidentes são vários e que há zonas inteiras da cidade que continuam inacessíveis, já que estão contaminadas por explosivos.

No último ano, a ONG registrou um total de 127 acidentes com explosivos que deixaram 186 vítimas na província de Ninawa, da qual Mossul é capital, um número que considera "muito abaixo da realidade".

O estudo adverte que as consequências para a população civil são graves, já que tais explosões podem causar lesões permanentes e amputações.

Além disso, a presença em massa de restos de explosivos na cidade impede que a população possa retomar uma vida normal depois de ter estado três anos sob domínio jihadista.

Segundo o estudo, em 15 de maio, 57% dos deslocados originais da província de Ninawa não tinham previsto voltar aos seus lares, sendo que 22% deles citavam a presença de explosivos como razão principal.

A ONG pediu à comunidade internacional que admita sua responsabilidade perante esta situação, gerada pela "desproporção dos ataques realizados e a importância das armadilhas que representam os explosivos improvisados e que fazem de Mossul uma das cidades mais minadas do mundo", indicou em comunicado.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas