Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.
Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos des…

Opinião: Israel oficializa política de dominância

Lei que declara Israel Estado do povo judeu afasta país das noções de democracia e igualdade que pautaram documento de sua criação.


Rainer Hermann | Deutsch Welle

Há mais de cinco anos, vinha sendo discutida de forma controversa a lei Estado-nação, projeto da direita de Israel. Agora, o Knesset aprovou surpreendentemente a controversa lei, que tem estatuto constitucional, de forma rápida, antes das férias de verão, mesmo que apenas por uma margem estreita. O texto define Israel como o Estado do povo judeu e inclui disposições que discriminam todas as minorias não judias.

Nacionalistas israelenses, com baideiras de Israel, se abraçam durante celebração
Nacionalistas israelenses durante celebração: "ultraortodoxos tentam moldar sociedade da forma que lhes convém"

Primeiro, chama a atenção que a direita israelense do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tenha forçado esta nova autodeterminação do Estado de Israel sem criar um amplo consenso para isso. A lei dá continuidade, assim, à lista de decisões fundamentais – como o Brexit e a nova Constituição turca –, tomadas após uma maioria apertada ter prevalecido sobre uma forte minoria. A lei dividiu o povo judeu; na diáspora, a oposição era ainda maior do que na própria Israel.

Mas os colonos nacionalistas-religiosos e os partidos ultraortodoxos não deixam barato, moldando, depois da sociedade, até mesmo o Estado da forma que lhes convém. O ambiente internacional os encoraja. Pois na Casa Branca está Donald Trump, um presidente americano que simpatiza com a direita israelense.

Na Europa, e em cada vez mais países, políticos e partidos que prestam homenagem ao nacionalismo étnico dão o tom. Foi provavelmente uma coincidência, mas uma de valor simbólico, que justamente o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, estivesse visitando Israel no momento da aprovação da lei.

No mundo árabe, que está ocupado consigo mesmo e com seus conflitos, a sorte dos palestinos não tem mais a urgência como após a fundação do Estado de Israel, que levou à expulsão de centenas de milhares de palestinos. E, aliás, a Declaração de Independência do Estado de Israel estabeleceu padrões dando ênfase à democracia e à igualdade de todos os cidadãos – independentemente de sua religião e origem.

Mas os conceitos de democracia e igualdade não aparecem mais na lei Estado-nação. Em vez disso, as minorias não judias têm negado seu direito de autodeterminação, a língua árabe é rebaixada, a formação de assentamentos puramente judaicos é considerada interesse nacional. Assim, se manifesta não uma política de conciliação, mas uma política de supremacia, que não evita conflitos.

Rainer Hermann é jornalista do diário alemão "Frankfurter Allgemeinen Zeitung".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas