Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Oriente Médio 'pode pegar fogo por qualquer faísca'?

Os militares israelenses afirmaram que abateram um avião militar sírio que teria entrado no espaço aéreo do país. Analista militar comentou em entrevista à Sputnik a situação na fronteira sírio-israelense.


Sputnik

O Exército de Israel anunciou hoje (24) ter abatido um avião militar Sukhoi pertencente à Força Aérea da Síria, pois este entrou 2 quilômetros no espaço aéreo israelense.

Soldados israelenses realizam exercícios na parte setentrional das Colinas de Golã, 13 de setembro de 2016
Tropa israelense nas Colinas de Golã, Síria © AFP 2018 / JALAA MAREY

Os militares israelenses lançaram dois mísseis Patriot contra o avião. Um piloto sírio morreu, o destino do outro é desconhecido, comunicou uma fonte no exército sírio.

A fonte também afirmou, porém, que o avião não violou o espaço aéreo de Israel e foi abatido sobre o território sírio enquanto realizava uma operação antiterrorista.

Cientista político e militar Andrei Koshkin comentou a situação, sublinhando que as relações entre a Síria e Israel têm sido tensas há bastante tempo, mas agora qualquer incidente poderá agravá-las ainda mais.

"Por isso, acho que a tragédia com o avião sírio sobre o território de Israel deve ser profundamente investigada. Em uma situação em que todo o Oriente Médio pode pegar fogo por causa de qualquer faísca, é muito importante que todas as partes sejam prudentes. É preciso encontrar tais métodos de atuação que a tensão nas Colinas de Golã diminua e não aumente, impedindo que a atual situação explosiva não resulte em uma explosão", disse ao serviço russo da Rádio Sputnik.

A Síria e Israel disputam há muitos anos o estatuto das Colinas de Golã. Além disso, militares israelenses atacaram em várias ocasiões instalações na Síria, argumentando que não querem que armas modernas acabem nas mãos de seus inimigos, em particular do movimento xiita libanês Hezbollah, que combate na Síria ao lado do governo.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas