Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Por meio do Egito, Hamas pede a Israel que cesse fogo na Faixa de Gaza

O movimento Hamas pediu a Israel que cesse fogo por meio da mediação egípcia e prometeu interromper os confrontos na fronteira como parte do acordo, disse uma fonte política israelense à Sputnik.


Sputnik

"O Hamas teve um grande golpe ontem e o movimento pediu um cessar-fogo através do Egito, prometendo interromper o 'terror incendiário e nas cercas fronteiriças'", disse a fonte.

Serviço de segurança do Hamas inspeciona o local de uma explosão na terça-feira que ocorreu quando o comboio do primeiro-ministro palestino, Rami Hamdallah, entrou em Gaza pela passagem de Erez para Israel.
Serviço de segurança do Hamas inspeciona o local de uma explosão que ocorreu na terça-feira quando o comboio do primeiro-ministro palestino entrou em Gaza © AP Photo / Adel Hana

Segundo a mesma pessoa, Israel considera o Egito como fiador da implementação do cessar-fogo.

"Os egípcios são os garantidores nesta questão, mas em qualquer caso, o desenvolvimento da situação dependerá de ações reais. Se o Hamas violar o cessar-fogo, pagará um preço ainda maior", acrescentou a fonte.

Esses arranjos foram alcançados após bombardeios maciços das instalações do Hamas no enclave, que se seguiram ao assassinato de um soldado israelense na sexta-feira.

Este foi o segundo cessar-fogo entre Israel e o Hamas, coordenado pelo Egito nas últimas duas semanas. No último sábado, a Força Aérea de Israel atingiu dezenas de alvos na Faixa de Gaza, enquanto o Hamas, apoiado pelo grupo da Jihad Islâmica, disparou cerca de 200 foguetes e projéteis no sul de Israel.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, classificou esses ataques aéreos na Faixa de Gaza como os mais difíceis desde o início da operação militar no enclave em 2014. Ele ameaçou o Hamas com novos ataques caso o grupo continuasse sua ofensiva contra Israel.

As hostilidades entre os israelenses e os palestinos perto da fronteira de Gaza aumentaram desde o final de março, durante a chamada Grande Marcha de Retorno. Os tumultos na fronteira são acompanhados de tentativas de incendiar pontos em Israel.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas