Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Lançamento do Submarino Riachuelo – S40 (VIDEO)

Hoje, 14 de dezembro, às 10h da manhã em Itaguaí-RJ, teve início a Cerimônia de Lançamento do Submarino Riachuelo, o primeiro de uma série de quatro submarinos convencionais e um nuclear que estão sendo construídos pela Marinha do Brasil. A cerimônia conta com a presença do Presidente da República.
Poder Naval

O nome do primeiro submarino, “Riachuelo”, é alusivo à Batalha Naval do Riachuelo, considerada decisiva na Guerra do Paraguai, com atuação destacada da Marinha do Brasil.


Acompanhe a Cerimônia em tempo real no vídeo no final deste post.
Prosub

O Brasil tem o mar como uma forte referência em todo o seu desenvolvimento. É nessa área marítima que os brasileiros desenvolvem as atividades pesqueiras, o comércio exterior e a exploração de recursos biológicos e minerais. A imensa riqueza das águas, do leito e do subsolo marinho nesse território justifica seu nome: Amazônia Azul.

A Amazônia Azul cobre uma área de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Mas o país pleiteia na Organização das Naç…

Por que caças F-22 estadunidenses não se aproximaram dos bombardeiros russos Tu-95?

O Ministério da Defesa da Rússia revelou as ações dos pilotos de caças F-22 da Força Aérea dos EUA, que acompanharam bombardeiros russos Tu-95 sobre águas neutras. O especialista em aviação, Viktor Pryadka, opinou por que os pilotos estadunidenses agiram de forma correta.


Sputnik

Segundo informa o jornal das Forças Armadas da Rússia, Krasnaya Zvezda, pilotos de caças F-22A da Força Aérea dos EUA se comportaram corretamente ao acompanhar bombardeiros estratégicos russos Tu-95MS sobre águas neutras.

Bombardeiro estratégico russo Tu-95MS
Bombardeiro russo Tupolev Tu-95 © Sputnik / Anton Denisov

Mais anteriormente, Ministério da Defesa russo relatou que os bombardeiros Tu-95MS e aviões antinavio Tu-142 efetuaram voo planejado com sucesso sobre águas neutras, treinando reabastecimento no ar e sendo escoltados em uma parte da rota por dois caças estadunidenses.

Conforme os pilotos russos, os norte-americanos levaram em consideração que as tripulações da Rússia estavam efetuando voo em conformidade total com as regras internacionais, visto que os aviões dos EUA não chegaram a realizar nenhuma ação agressiva contra aeronaves russas.

Para comparar, aviões russos já foram escoltados anteriormente por quatro ou até cinco caças do Japão, dos EUA e da Coreia do Sul, em constante intercalação, mas desta vez foram só dois caças norte-americanos.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Viktor Pryadka explicou por que os norte-americanos se comportaram assim.

"Os caças F-22A são relativamente novos, acho que os pilotos têm pouca experiência e por isso efetuaram voo de treinamento, acostumando-se a ficar perto de aviões grandes, treinando o sistema de pontaria de seus mísseis e verificando equipamento radioeletrônico", ressaltou.

Para ele, os norte-americanos, assim que recebem sinal de que aviões russos estão no ar, logo são ordenados a decolar do aeródromo mais perto, calculando o tempo da aproximação e reserva de combustível para poderem voltar ao aeródromo após a escolta.

Em 11 de maio, bombardeiros estratégicos Tu-95MS da Força Aeroespacial da Rússia e aviões antinavio de longo alcance Tu-142 da Marinha russa efetuaram voo planejado com sucesso sobre as águas neutras do oceano Ártico, mar de Bering e de Okhotsk. As tripulações russas completaram todas as tarefas de patrulhamento aéreo.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas