Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Por que caças F-22 estadunidenses não se aproximaram dos bombardeiros russos Tu-95?

O Ministério da Defesa da Rússia revelou as ações dos pilotos de caças F-22 da Força Aérea dos EUA, que acompanharam bombardeiros russos Tu-95 sobre águas neutras. O especialista em aviação, Viktor Pryadka, opinou por que os pilotos estadunidenses agiram de forma correta.


Sputnik

Segundo informa o jornal das Forças Armadas da Rússia, Krasnaya Zvezda, pilotos de caças F-22A da Força Aérea dos EUA se comportaram corretamente ao acompanhar bombardeiros estratégicos russos Tu-95MS sobre águas neutras.

Bombardeiro estratégico russo Tu-95MS
Bombardeiro russo Tupolev Tu-95 © Sputnik / Anton Denisov

Mais anteriormente, Ministério da Defesa russo relatou que os bombardeiros Tu-95MS e aviões antinavio Tu-142 efetuaram voo planejado com sucesso sobre águas neutras, treinando reabastecimento no ar e sendo escoltados em uma parte da rota por dois caças estadunidenses.

Conforme os pilotos russos, os norte-americanos levaram em consideração que as tripulações da Rússia estavam efetuando voo em conformidade total com as regras internacionais, visto que os aviões dos EUA não chegaram a realizar nenhuma ação agressiva contra aeronaves russas.

Para comparar, aviões russos já foram escoltados anteriormente por quatro ou até cinco caças do Japão, dos EUA e da Coreia do Sul, em constante intercalação, mas desta vez foram só dois caças norte-americanos.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Viktor Pryadka explicou por que os norte-americanos se comportaram assim.

"Os caças F-22A são relativamente novos, acho que os pilotos têm pouca experiência e por isso efetuaram voo de treinamento, acostumando-se a ficar perto de aviões grandes, treinando o sistema de pontaria de seus mísseis e verificando equipamento radioeletrônico", ressaltou.

Para ele, os norte-americanos, assim que recebem sinal de que aviões russos estão no ar, logo são ordenados a decolar do aeródromo mais perto, calculando o tempo da aproximação e reserva de combustível para poderem voltar ao aeródromo após a escolta.

Em 11 de maio, bombardeiros estratégicos Tu-95MS da Força Aeroespacial da Rússia e aviões antinavio de longo alcance Tu-142 da Marinha russa efetuaram voo planejado com sucesso sobre as águas neutras do oceano Ártico, mar de Bering e de Okhotsk. As tripulações russas completaram todas as tarefas de patrulhamento aéreo.

Comentários

Postagens mais visitadas