Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Saab prepara novo míssil antinavio para os caças Gripen da Força Aérea Sueca

A Saab exibiu seu míssil antinavio RBS15 Mk4, batizado de Gungnir, no Farnborough Airshow, enfatizando que o foco do trabalho é entregá-lo para integração com o caça Gripen E da Força Aérea Sueca, para que o serviço possa reter este capacidade quando as versões em serviço se tornam obsoletas.


Por Beth Stevenson | Defense News | Poder Aéreo

FARNBOROUGH, Inglaterra – A Suécia ainda está operando uma versão dos anos 80 da arma na forma do RBS15F, um derivativo aerotransportado da versão de superfície Mk1. No entanto, essa capacidade está definida para se tornar obsoleta em sua aeronave Gripen C/D porque a arma logo perderá o suporte de manutenção, e assim a Saab está priorizando o desenvolvimento da versão aérea do Gungnir para que a Suécia possa colocar em serviço tanto a nova aeronave quanto a arma o mais rápido possível para manter sua capacidade antinavio.

Um modelo do míssil antinavio RBS15 Mk4 é carregado no mockup do caça Saab Gripen E - foto:James Williams/staff
Um modelo do míssil antinavio RBS15 Mk4 é carregado no mockup do caça Saab Gripen E – foto:James Williams/staff

O desenvolvimento do Gungnir, ou Lança de Odin, foi contratado pela agência sueca de compras de defesa FMV em março de 2017 sob um acordo de SEK 3,7 bilhões – seguido de um contrato para produção adicional em abril – e deve entrar em serviço em meados da década de 2020 no novo caça Gripen E.

Os RBS15Fs da Suécia – as versões aerotransportadas – estão chegando ao fim de sua vida útil em armazenamento, observa Saab, já que as armas geralmente têm uma vida útil de 15 anos e uma vida em serviço de 30 anos.

O novo míssil também equipará as corvetas da classe Visby da Marinha Sueca, mas a principal preocupação é integrá-las ao Gripen E, diz Saab.

“Tudo é impulsionado pelo programa Gripen”, disse Michael Höglund, vice-presidente e chefe de marketing e vendas de sistemas de mísseis da Saab Dynamics.

Quatro gerações do míssil terão sido desenvolvidas no momento em que o Gungnir estiver em serviço, embora apenas o primeiro e o último tenham sido projetados para a integração aerotransportada, enquanto todos são adequados para o uso na superfície.

O Mk3 está atualmente sendo entregue e continuará a ser desenvolvido e suportado por vários anos, mas o míssil pode ser trocado para o Mk4, uma vez que o desenvolvimento esteja completo, disse Höglund. Os aprimoramentos gerados pelo Mk4 serão transferidos para o Mk3.

Em 2021, o míssil será entregue para testes a bordo do Gripen, com os primeiros disparos reais destinados a 2021-22.

A empresa também terá como alvo os aviões de patrulha marítima (MPA) e outros mercados de caça para o míssil, bem como potencialmente até a variante C/D do Gripen, embora Höglund tenha notado que não há requisitos para isso no momento.

O Eurofighter Typhoon foi apontado como um possível caça que poderia se beneficiar do RBS15, bem como do próprio Swordfish MPA da empresa.

Existem requisitos emergentes para que um míssil antinavio seja introduzido em caças, incluindo da Malásia, e o melhor desempenho do Mk4 em comparação com o Mk1 pode ajudar a Saab a expandir o uso aéreo do RBS15 fora da Suécia – e em paralelo o apelo do o Gripen E para requisitos contínuos. O Kuwait está adquirindo adicionalmente o míssil antinavio MBDA Marte para sua frota de Typhoon, demonstrando que esse tipo de armamento é atraente para as operações de caças.

O Mk4 terá um alcance marítimo de cerca de 300 km e, embora a Saab não tenha revelado o alcance exato do Mk1, espera-se que a nova versão seja o triplo.

Ele também terá uma capacidade anti-jam, será equipado para, mas não vem com um novo link de dados, e é um projeto que usa material composto que reduz o peso do sistema.

O Brasil se comprometeu a adquirir o caça Gripen E, mas Höglund alegou que ainda não há contrato de produção para o RBS15 do país, embora seja fácil para a Força Aérea Brasileira adquiri-lo em uma data posterior.

O míssil foi projetado em parceria com a Diehl Defense, que se juntou ao programa quando a Saab estava vendendo a versão Mk3 para a Marinha Alemã para uso na corveta K130. A empresa fornece 25% do conteúdo e é responsável pela montagem final.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas