Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Teerã tem poder para responder às ameaças 'vazias' dos EUA, declara comandante iraniano

O chefe do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, major-general Mohammad Ali Jafari, declarou que o Irã não leva a sério as ameaças militares de Washington, porque uma guerra desencadeada contra o Irã vai custar caro aos seus inimigos.


Sputnik

Jafari comentou a declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, que o Irã iria sofrer consequências como poucos sofreram algum dia na história.
"As ameaças militares feitas pelos inimigos não são muito sérias e são vazias, temos poder para responder-lhes", disse Jafari na sexta-feira (27) falando com estudantes em Teerã, informou a PressTV.

Os efetivos do o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) durante um desfile militar (foto de arquivo)
Militares iranianos © AP Photo / Vahid Salemi

Segundo o comandante, os inimigos do Irã estão mais focados em minar o país através de uma "guerra suave", em vez de ações militares.

"Hoje as ameaças e sanções dos inimigos atingiram seu auge", disse Jafari. "Contudo, a única ameaça que eles não porão em ação é a militar, porque se realizarem uma agressão militar, isso implicará custos enormes para eles próprios", sublinhou ele.

O comandante iraniano fez essas declarações na sequência das ameaças de Trump e de informações que representantes do governo australiano acreditam que os EUA poderão lançar ataques contra instalações nucleares iranianas já em agosto.

As relações entre Washington e Teerã se agravaram em meados deste ano, quando os Estados Unidos saíram unilateralmente do acordo nuclear iraniano, voltando a introduzir sanções anteriormente suspendidas contra o Irã.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas