Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

Trump pressionou assessores sobre invasão da Venezuela, diz funcionário dos EUA

Em reunião em agosto do ano passado no Salão Oval para discutir sanções à Venezuela, o presidente Donald Trump voltou-se para seus principais assessores e fez uma pergunta inquietante: com a rápida deterioração da Venezuela na segurança regional, por que os EUA não podem simplesmente invadir o país conturbado?


Forças Terrestres
BOGOTÁ, Colômbia – A sugestão surpreendeu os presentes na reunião, incluindo o secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson e o conselheiro de segurança nacional H.R. McMaster, que deixaram a administração desde então. Este relato da conversa anteriormente não revelada vem de um alto funcionário da administração familiarizado com o que foi dito.

Donald Trump | Reprodução

Em uma troca que durou cerca de cinco minutos, McMaster e outros se revezaram explicando a Trump como a ação militar poderia sair pela culatra e arriscar-se a perder o apoio duramente conquistado pelos governos latino-americanos para punir o presidente Nicolas Maduro por colocar a Venezuela no caminho da ditadura. O funcionário falou sob condição de anonimato por causa da natureza sensível das discussões.

Mas Trump recuou. Embora ele não tenha dado indicações de que estava prestes a ordenar os planos militares, ele apontou para o que considerou casos anteriores de diplomacia bem-sucedida na região, de acordo com o oficial, como as invasões do Panamá e Granada nos anos 80.

A ideia, apesar das melhores tentativas de seus assessores de derrubá-la, ainda assim persistiria na cabeça do presidente.

No dia seguinte, 11 de agosto, Trump alarmou amigos e inimigos com uma “opção militar” para remover Maduro do poder. Os comentários públicos foram inicialmente descartados nos círculos de política dos EUA como o tipo de fanfarronice que as pessoas esperam da estrela de reality show que se tornou comandante-em-chefe.

Mas pouco depois, ele levantou a questão com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, de acordo com o funcionário dos EUA. Dois altos funcionários colombianos que falaram sob condição de anonimato para evitar antagonizar Trump confirmaram o relato.

Então, em setembro, à margem da Assembléia Geral da ONU, Trump discutiu novamente, desta vez em maior profundidade, em um jantar privado com líderes de quatro aliados latino-americanos que incluíam Santos, disseram as mesmas três pessoas e o site Politico em fevereiro.

O funcionário dos EUA disse que Trump foi especificamente informado para não levantar a questão e disse que não iria cair bem, mas a primeira coisa que o presidente disse no jantar foi: “Minha equipe me disse para não dizer isso”. Trump então perguntou a cada líder se eles tinham certeza de que não queriam uma solução militar, de acordo com o oficial, que acrescentou que cada líder disse a Trump em termos claros que eles tinham certeza.

Juntas, as conversas nos bastidores, cuja extensão e detalhes não foram previamente relatados, destacam como a crise política e econômica da Venezuela recebeu a maior atenção de Trump de uma forma inimaginável no governo Obama. Mas os críticos dizem que isso também ressalta como sua política externa “America First” às vezes pode parecer imprudente, fornecendo munição aos adversários dos Estados Unidos.

A Casa Branca se recusou a comentar sobre as conversas privadas. Mas um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional reiterou que os EUA considerarão todas as opções à sua disposição para ajudar a restaurar a democracia na Venezuela e trazer estabilidade. Sob a liderança de Trump, os EUA, o Canadá e a União Europeia impuseram sanções a dezenas de altos funcionários venezuelanos, incluindo o próprio Maduro, devido a alegações de corrupção, tráfico de drogas e abusos dos direitos humanos. Os EUA também distribuíram mais de US$ 30 milhões para ajudar os vizinhos da Venezuela a absorver um fluxo de mais de 1 milhão de migrantes que fugiram do país.

Para Maduro, que há muito afirma que os EUA têm projetos militares contra a Venezuela e suas vastas reservas de petróleo, a conversa bélica de Trump forneceu ao líder impopular um impulso imediato, embora de curta duração, enquanto tentava escapar da culpa da escassez generalizada de alimentos e da hiperinflação. Dias depois da conversa do presidente sobre uma opção militar, Maduro preencheu as ruas de Caracas com legalistas para condenar a beligerância de “Imperador” Trump, ordenou exercícios militares em todo o país e ameaçou opositores com prisão que estariam planejando sua derrubada com os EUA.

FONTE: Fox News

Postar um comentário

Postagens mais visitadas