Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Almirante norte-americano avalia eficácia de forças submarinas russas

Os grandes investimentos da Rússia permitem criar forças submarinas eficazes, contra as quais os Estados Unidos se opõem no Atlântico, declarou o comandante da Marinha dos EUA na Europa e África, almirante James Foggo.


Sputnik

"A atividade na guerra submarina aumentou significativamente desde que eu voltei [ao serviço militar] para a Europa e desde a Guerra Fria. A Marinha da Rússia continua a investir rublos [moeda nacional] no setor subaquático e eles possuem foças submarinas muito eficazes", disse Foggo, citado pelo serviço de imprensa da 6ª Frota dos EUA.

Submarino nuclear russo do projeto Yase
Submarino nuclear russo do Projeto Yase © Foto: Oleg Kuleshov

O comandante ainda acredita que os "EUA são arrastados para a 'quarta batalha pelo Atlântico' em decorrência do aumento da atividade das forças submarinas russas".

"O teatro de guerra antissubmarino é muito importante e um jogo militar combinado com a participação de todos", acrescentou o almirante que anteriormente serviu na frota de submarinos.

No final de agosto, os EUA restauraram a 2ª frota naval, destinada a deter a Rússia no Atlântico Norte, principalmente seus submarinos, que os marinheiros norte-americanos mais temem.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas