Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Boeing vence competição do drone-tanque MQ-25A (VIDEO)

O Pentágono deu à Boeing um contrato de US$ 805 milhões e a gigante aeroespacial tem até 2024 para entregar quatro veículos aéreos não tripulados MQ-25A.


Poder Aéreo

A Boeing deve também demonstrar que os quatro jatos podem ser integrados na ala aérea de um porta-aviões para fornecer serviços de reabastecimento aéreo aos aviões embarcados.

Boeing MQ-25A
Boeing MQ-25A

O novo drone-tanque poderia dobrar o raio de ação da ala aérea embarcada, com o MQ-25A fornecendo até 15.000 libras de combustível a 500 milhas náuticas.

O contrato ocorre quando a Marinha dos EUA está lutando para manter a prontidão de sua frota de caças F/A-18E/F Super Hornet, que também servem como aviões-tanque para a ala aérea.

De 20 a 30% das horas de voo do Super Hornet são dedicadas a operações de reabastecimento aéreo, e cortar essas horas faz parte do esforço do Chefe de Operações Navais, o almirante John Richardson, de levar o MQ-25 à frota.

A Marinha planeja eventualmente comprar mais 72 veículos aéreos de reabastecimento em voo, com um custo total do programa de cerca de US$ 13 bilhões.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas