Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Caças F-35B dos Marines precisam de para-raios para protegê-los no solo

Os raios continuam sendo um sério perigo para os caças furtivos que poderiam prejudicar suas operações de bases sem proteção adequada


Poder Aéreo

Entre um número de problemas residuais que permanecem com o F-35 Joint Strike Fighter, a questão da proteção do jato contra os raios, ou a falta dele, continua a ser uma questão particularmente vexatória. Para o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e sua variante F-35B, tempestades ainda são um problema tão grande que o serviço está comprando para-raios especiais para ajudar a proteger os jatos quando estacionados em bases que não têm a infra-estrutura necessária, o que inclui a Marine Corps Air Station Iwakuni no Japão.

F-35B dos Marines
F-35B dos Marines

Em 8 de agosto de 2018, os fuzileiros navais anunciaram planos de comprar 14 para-raios através de um contrato de fornecimento exclusivo para a LBA Technology, Inc. de Greenville, Carolina do Norte. De acordo com o aviso de contratação, que o serviço postou na FedBizOpps, esta é a única empresa que fabrica sistemas que o principal Escritório do Programa Conjunto F-35 das Forças Armadas dos EUA aprovou para uso com a aeronave.

“Como o F-35, como aeronave de tipo compósito, não fornece proteção passiva contra raios inerente, os para-raios solicitados são necessários para a instalação de aeronaves em qualquer campo de pouso expedicionário em apoio a operações de combate ou exercícios de treinamento que não atendam a todos os requisitos de proteção contra raios para o F-35B. “Com base em uma extensa pesquisa do Escritório do Programa Conjunto F-35, este é o único para-raios que atende aos requisitos do programa estabelecido.”

Com base nos requisitos mínimos dos fuzileiros navais, a versão específica do F-35 da LBA de seu para-raios PLP-38-MOB pode permanecer em pé mesmo em ventos de até 120 milhas por hora sem precisar ser amarrada ao solo de alguma forma. Eles também podem operar sob fortes chuvas, acúmulo de gelo ou temperaturas extremamente quentes e frias. Não está claro quanto custa cada um, mas um kit completo PLP-38-MOB tem um preço unitário de US$ 18.750, segundo o site da LBA.

O para-raios PLP-38-MOB
O para-raios PLP-38-MOB

No entanto, há uma questão muito mais séria ligada ao tanque de combustível principal do Joint Strike Fighter. Combinado com a falta de proteção contra descargas elétricas inerentes da aeronave, é difícil e complicado tornar o sistema de combustível “inerte” quando o avião estiver no solo.

O que isto significa é que existe um potencial distinto para um acúmulo de vapores de oxigênio e combustível dentro do tanque de combustível que pode ser perigoso por si só. Se um relâmpago atingir um avião não inerte no solo, pode haver um risco maior de provocar uma explosão ou causar um incêndio.

O problema parece ser especialmente pronunciado no modelo B, que apresenta um arranjo interno significativamente diferente das variantes A e C, devido à necessidade de um grande conjunto de fan de sustentação atrás do cockpit. Este é um componente essencial da capacidade de decolagem e aterrissagem curta e vertical do jato.

“A aeronave F-35B não mantém inertização residual após o voo por um intervalo de 12 horas, o que é um requisito de proteção contra raios”, informou o DOT&E em 2015. “Se a inertização residual não puder ser melhorada, é necessário purgar os tanques de combustível com nitrogênio externo com mais freqüência ou estratégias alternativas de proteção contra raios (por exemplo, abrigos protegidos contra raios) terão que ser adotadas.”

FONTE: The Drive

Postar um comentário

Postagens mais visitadas