Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

China: participação de manobras militares na Rússia não ameaça terceiros

A participação da China em manobras estratégicas Vostok 2018, na Rússia, não é dirigida contra outros países, assegurou nesta quinta-feira o porta-voz do ministério da Defesa da China, Wu Qian.


Sputnik

"Com relação à participação da China nos exercícios Vostok 2018 — essas manobras visam fortalecer e desenvolver relações de cooperação estratégica abrangente entre a Rússia e a China, bem como aprofundar a cooperação pragmática amistosa entre as Forças Armadas dos dois países. As manobras não são dirigidas contra outros países e não se relacionam à situação na região", disse o alto funcionário chinês.

Inauguração dos exercícios táticos conjuntos das forças especiais da Guarda Nacional da Rússia e da Polícia Armada do Povo da China (PAP) “Cooperação-2016”
Militares russos e chineses © Sputnik / Mikhail Voskresenskiy

Segundo Wu, as manobras conjuntas visam fortalecer a capacidade dos Exércitos russo e chinês de responder conjuntamente a todos os tipos de ameaças, bem como manter a paz e a estabilidade na região.

As manobras Vostok 2018 (Leste 2018) serão realizadas entre os dias 11 e 15 de setembro. Serão os maiores exercícios militares realizados pelas Forças Armadas da Rússia desde 1981.

Os exercícios, em uma de suas etapas, contarão com a participação das Forças Armadas da China e da Mongólia.

Na ocasião, Pequim pretende mobilizar 3.200 militares, mais de 900 unidades de maquinaria de guerra, além de 30 aeronaves e helicópteros.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas