Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

China: participação de manobras militares na Rússia não ameaça terceiros

A participação da China em manobras estratégicas Vostok 2018, na Rússia, não é dirigida contra outros países, assegurou nesta quinta-feira o porta-voz do ministério da Defesa da China, Wu Qian.


Sputnik

"Com relação à participação da China nos exercícios Vostok 2018 — essas manobras visam fortalecer e desenvolver relações de cooperação estratégica abrangente entre a Rússia e a China, bem como aprofundar a cooperação pragmática amistosa entre as Forças Armadas dos dois países. As manobras não são dirigidas contra outros países e não se relacionam à situação na região", disse o alto funcionário chinês.

Inauguração dos exercícios táticos conjuntos das forças especiais da Guarda Nacional da Rússia e da Polícia Armada do Povo da China (PAP) “Cooperação-2016”
Militares russos e chineses © Sputnik / Mikhail Voskresenskiy

Segundo Wu, as manobras conjuntas visam fortalecer a capacidade dos Exércitos russo e chinês de responder conjuntamente a todos os tipos de ameaças, bem como manter a paz e a estabilidade na região.

As manobras Vostok 2018 (Leste 2018) serão realizadas entre os dias 11 e 15 de setembro. Serão os maiores exercícios militares realizados pelas Forças Armadas da Rússia desde 1981.

Os exercícios, em uma de suas etapas, contarão com a participação das Forças Armadas da China e da Mongólia.

Na ocasião, Pequim pretende mobilizar 3.200 militares, mais de 900 unidades de maquinaria de guerra, além de 30 aeronaves e helicópteros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas