Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.


Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

Navios da Marinha chinesa participam de manobras no mar Amarelo
Navios da Marinha chinesa © East News / Liu Zheng/Color China Photo/AP Images

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como uma parte integrante da China, e pediu aos EUA para respeitarem o princípio de uma só China.

Quanto às disputas marítimas, Pequim está disposta a "resolvê-las pacificamente por meio de acordos diretos e negociações com os países relevantes". Kang também acusou Washington de enviar frequentemente aviões de guerra à área do mar do Sul da China "para provocar tensões, o que representa uma ameaça real para a paz e a estabilidade regionais".

O documento de 145 páginas, publicado pelo Pentágono na quinta-feira, sugere que nos últimos anos o Exército de Libertação Popular da China "tem expandido rapidamente as áreas operacionais de bombardeiros sobre a água, ganhando experiência em regiões marítimas críticas e provavelmente treinando para ataques contra alvos norte-americanos e aliados".

Pequim destaca que a publicação de documentos deste tipo "está prejudicando a confiança mútua entre os países e é incompatível com os interesses comuns de ambas as partes".

"Exigimos que os Estados Unidos abandonem a mentalidade da Guerra Fria, observem objetivamente e racionalmente o desenvolvimento da defesa nacional e do Exército da China, deixando de publicar tais relatórios, e que tomem ações práticas para manter o desenvolvimento estável das relações entre os dois Exércitos", concluiu Lu Kang.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas