Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

China teria se oposto à exigência dos EUA quanto ao petróleo iraniano

Segundo a Bloomberg, a China respondeu por 35% das exportações de petróleo iranianas.


Sputnik

As autoridades norte-americanas não conseguiram fazer com que a China reduzisse a importação de petróleo iraniano, informou a Bloomberg, referindo-se às autoridades envolvidas nas negociações.

Bandeira americana e chinesa
© AFP 2018 / Wang Zhao

Bloomberg observa que os negociadores americanos estão visitando as capitais de vários países para discutir a questão de suspensão da importação de petróleo do Irã até novembro, quando as sanções americanas contra Teerã entrarão novamente em vigor. De acordo com o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, uma dessas visitas à China foi recentemente realizada pelo subsecretário de Estado de Recursos Energéticos, Francis Fannon.

Em 8 de maio, o presidente Donald Trump anunciou a saída de Washington do acordo nuclear iraniano e restauração de todas as sanções, incluindo sanções secundárias contra outros países que realizam negócios com o Irã. Mais tarde, o Departamento de Estado disse que Washington tentaria persuadir os aliados a pararem completamente de comprar petróleo iraniano até o início de novembro.

A China, maior compradora de petróleo iraniano, no início de julho deixou claro que não responderia a esse chamado de Trump. No mesmo mês, Pequim anunciou um aumento de 26% no volume de importações de petróleo. Segundo a Bloomberg, a China respondeu por 35% das exportações de petróleo iranianas.

Comentários

Postagens mais visitadas