Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Erdogan, presidente da Turquia, diz que trará segurança e paz à Síria e ao Iraque

Ele também afirmou que pretende eliminar organizações terroristas em áreas sírias sob controle turco.


Por Tuvan Gumrukcu | Reuters

O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, prometeu neste domingo (26) trazer paz e segurança para o Iraque e áreas na Síria que não estão sob controle turco e disse que organizações terroristas nessas áreas seriam eliminadas.

Presidente turco, Tayyip Erdogan (Foto: Murat Kula/Presidential Palace/ Reuters )
Presidente turco, Tayyip Erdogan (Foto: Murat Kula/Presidential Palace/ Reuters )

A Turquia, que apoiou alguns grupos rebeldes na Síria, tem trabalhado com a Rússia, que apoia o presidente sírio, Bashar al Assad, e o Irã, para uma solução política para a crise.

Até agora, realizou duas operações transfronteiriças ao longo de sua fronteira com a Síria e montou uma dezena de postos de observação militar na região de Idlib, no norte da Síria.

O enclave de Idlib, controlado pelos rebeldes, é um refúgio para civis e rebeldes deslocados de outras áreas da Síria, bem como para forças jihadistas, mas foi atingido por uma onda de ataques aéreos e bombardeios este mês. Os ataques representam um possível prelúdio para uma ofensiva do governo sírio em larga escala, o que a Turquia disse que seria desastroso.

Falando na província de Mus, no sudeste, em comemoração ao aniversário da batalha de Manzikert, de 1071, Erdogan prometeu trazer a paz e a segurança à Síria e ao Iraque.

"Não é à toa que os únicos lugares na Síria onde a segurança e a paz foram estabelecidas estão sob o controle da Turquia. Se Deus quiser, estabeleceremos a mesma paz em outras partes da Síria. Se Deus quiser, levaremos a mesma paz para o Iraque, onde as organizações terroristas são ativas ", disse ele.

Erdogan também relacionou conflitos regionais e a atual crise cambial na Turquia, que ele chamou de "guerra econômica", a tentativas anteriores de invadir a Anatólia, alertando que isso levaria ao colapso das regiões vizinhas.

"Aqueles que buscam razões temporárias por trás dos problemas que estamos enfrentando recentemente estão errados, muito errados. Os ataques que enfrentamos hoje estão enraizados na história", disse ele. "Não se esqueça, a Anatólia é um muro e, se esse muro desmoronar, não haverá mais Oriente Médio, África, Ásia Central, Bálcãs ou Cáucaso."

A lira turca desabou quase 40 por cento este ano, com preocupações dos investidores com o controle de Erdogan sobre a política monetária e uma crescente disputa com os Estados Unidos pressionando a moeda.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas