Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.
Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos des…

EUA, Irã ou Turquia: quem ganhará batalha final pela Síria?

Depois que o exército sírio recuperou o controle de Daraa e Quneitra, a guerra no país entrou em uma nova fase. Muitas zonas que Damasco ainda não reconquistou estão sob a influência de atores externos.


Sputnik

Assim, Idlib é controlada pela Turquia, bem como a zona de Al-Tanf; algumas populações curdas permanecem sob a forte influência dos EUA, cujos militares operam nessa zona. Sem iniciar negociações com esses países, as Forças Armadas sírias não poderão controlar todo o país.

Militar sírio hasteia bandeira da Síria no sudoeste da província de Daraa, na fronteira com a Jordânia
© Sputnik / Mikhail Alaeddin
Turquia, 'o elo mais fraco'

No fim de julho, a cidade russa de Sochi se tornou palco de negociações entre o Irã, a Turquia e a Rússia para discutir a questão síria. Damasco e Ancara oficialmente não mantêm negociações e se limitam a lançar declarações cruzadas sobre a presença turca no território da Síria. Assim, o governo sírio promete a Ancara que Idlib voltará a ficar sob o controle de Damasco mais tarde ou mais cedo.

"Na verdade, ninguém duvida. A Turquia não vai ocupar o território sírio indefinidamente, porque os benefícios dessa ocupação são absolutamente insuficientes em comparação com as perdas financeiras e de imagem política, bem como as baixas militares que poderiam ocorrer se a ocupação for mantida. Em algum momento as tropas turcas serão forçadas a abandonar o território sírio. Entretanto, Erdogan [presidente da Turquia] não quer 'ir embora de mãos a abanar' e planeja, em troca, exigir o cumprimento de uma série de condições", explicou o cientista político Gevorg Mirzayan em um artigo para a revista russa Expert.

Para ele, a Turquia planeja manter sua influência na Síria no pós-guerra e, portanto, Ancara é favorável à concessão de mais direitos e poderes para as comunidades locais – uma parte das quais, no noroeste e oeste da Síria, são pró-turcas. Por outro lado, Ancara não quer que esses direitos e poderes sejam aplicados aos sírios curdos, porque o governo turco os considera uma das principais ameaças para a segurança nacional da Turquia.

Entretanto, cumprir tais condições parece impossível, avisa o cientista político.

"A Comissão Constitucional da sociedade civil na Síria [cuja criação foi acordada durante as negociações em Sochi e que é composta por representantes tanto do governo sírio como da oposição] está apenas começando a trabalhar, e ninguém sabe como excluir os curdos do processo de descentralização", explicou o analista.

Além disso, o Irã também não está disposto a ceder à Turquia suas zonas de influência na Síria.

"Todos entendem que, muito provavelmente, a médio prazo Teerã e Ancara vão competir pelo domínio no Oriente Médio", acrescentou Mirzayan.

As autoridades turcas ameaçam, por sua vez, que, se Moscou e Teerã derem luz verde a Damasco para realizar uma operação militar em Idlib sem o acordar com Ancara, a Turquia abandonará o formato de Astana e é possível que reative a ajuda militar e política à oposição síria.

Segundo Mirzayan, a reunião em Sochi deu a possibilidade aos diferentes países de chegarem a um compromisso. Damasco, Teerã e Moscou acordaram adiar temporariamente a ofensiva em Idlib e permitir à própria Turquia lidar com as ameaças dos grupos terroristas que operam nesta região, como o Tahrir al-Sham, a nova "reencarnação" da Frente al-Nusra (organizações terroristas proibidas na Rússia).

"Entretanto, este compromisso, muito provavelmente, não vai durar muito. Em primeiro lugar, porque de momento a Turquia não consegue lidar com a situação, o que mostram, por exemplo, os ataques regulares de drones realizados a partir de Idlib contra a base aérea de Hmeymim, não havendo uma garantia que a situação vá mudar. Em segundo lugar, Damasco já está negociando com os curdos e esse diálogo é baseado em uma promessa de descentralização", escreveu o analista.

Aqui se vê que os interesses de Damasco coincidem com os da Turquia na ideia de não ampliar a autonomia dos curdos. A diferença é que o governo sírio está disposto a conceder-lhes autonomia limitada.

"Se os turcos se opuserem, se no final Damasco tiver de escolher entre um compromisso com os curdos ou satisfazer os turcos, optará pelos primeiros," afirmou o cientista político.

Mirzayan está convencido de que Damasco não escolherá a Turquia porque é “o elo mais fraco no triunvirato sírio” composto por Moscou, Teerã e Ancara. O fim da guerra civil síria está iminente e as posições do Irã e da Rússia nesse cenário parecem fortes, enquanto as da Turquia, pelo contrário, estão enfraquecendo.

O papel dos EUA

Os norte-americanos, por sua vez, não participaram da reunião em Sochi, apesar de terem sido convidados.

"Sentimos que nossos colegas norte-americanos se retiraram dos esforços para alcançar uma solução política a longo prazo na Síria. Continuamos convencidos de que só um diálogo aberto pode levar a uma resolução satisfatória para todos", disse o representante especial do presidente russo para a Síria, Aleksandr Lavrentiev.

Entretanto, de acordo com Mirzayan, pode ser possível chegar a esse acordo de maneira não tão aberta, como, por exemplo, através de uma negociação Putin-Trump. Além disso, o presidente dos EUA já declarou que está pronto para retirar as tropas americanas de Al-Tanf, que já não são tão importantes depois da libertação de Deir ez-Zor e Daraa pelo exército sírio. Trump também se mostra predisposto a retirar seu apoio aos curdos sírios, que, para os EUA, não servem para conter o Irã e, ao mesmo tempo, criam problemas nas relações com a Turquia, acrescentou o cientista político.

"A única questão é saber o que os norte-americanos querem em troca. Alguns meios de comunicação divulgam a ideia de que os EUA, junto com Israel, exigem a retirada completa do Irã da Síria. Entretanto, todos entendem que isso é pouco realista: os perdedores não podem forçar o vencedor a admitir sua derrota. Então, o mais provável é que os iranianos devam garantir que não haverá tropas e bases suas perto das Colinas de Golã e que a Rússia se torne o garante do cumprimento por Teerã dessa condição", declarou ele.

O Irã

Entretanto, para Mirzayan, entre os políticos e especialistas ocidentais existe certa preocupação sobre as capacidades de Moscou de garantir o cumprimento do acordo pelo Irã, porque um dos objetivos de Teerã é ganhar uma posição de monopólio no que toca à influência na Síria.

Moscou, apesar de suas boas relações com o Irã, compartilha parcialmente essas preocupações, e é por isso que está tentando fazer tudo o possível para resolver o problema, envolvendo os turcos através da diplomacia e envolvendo os parceiros europeus no processo de retorno dos refugiados sírios e na reconstrução da infraestrutura do país.

"Quantos mais atores externos houver na Síria, menos provável será que a liderança iraniana – inevitável, na realidade – neste país se torne dominante, algo que ninguém quer. Haverá também mais possibilidades de que o processo de reconciliação nacional termine não apenas com o fim do conflito civil, mas também com uma coexistência pacífica a longo prazo dos povos e grupos religiosos da Síria", concluiu o analista russo.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas