Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

FAB treina combate além do alcance visual na Ala 2

São mais de 300 militares operando e dando suporte às 40 aeronaves envolvidas na missão


Poder Aéreo

O Exercício Técnico BVR ocorre até o dia seis de setembro na Ala 2, em Anápolis (GO). Várias unidades de aviação de caça, reconhecimento e transporte estão realizando missões de combate simulado, controle e alarme em voo, reabastecimento em voo, posto de comunicação no ar e defesa de aeronave de alto valor.

Aeronaves no Exercício Técnico BVR
Aeronaves no Exercício Técnico BVR

O treinamento, que começou no dia 20 de agosto, é feito em conjunto e tem o objetivo de instruir as Unidades de Defesa Aérea na doutrina de combate BVR (do inglês, Beyond Visual Range, ou seja, além do alcance visual). Nessa atividade, os pilotos não conseguem visualizar o alvo e devem aprender a combater gerenciando seus sistemas internos. São técnicas que estão de acordo com as utilizadas atualmente pelas unidades aéreas que fazem parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

No Exercício participam o Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) e os Esquadrões Jaguar (1° GDA), Pampa (1º/14º GAV), Pacau (1º/4º GAV), Carcará (1°/6º GAV), Guardião (2º/6º GAV), Gordo (1º/1º GT), Corsário (2º/2º GT), Poker (1°/10° GAV), Centauro (3°/10° GAV), Arara (1°/9° GAV), Onça (1°/15° GAV) e Pantera (5°/8° GAV), além do Primeiro Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (VF1) da Marinha do Brasil. São mais de 300 militares operando e dando suporte às 40 aeronaves envolvidas na missão.

O BVR acontece desde 2012, podendo ser realizado duas vezes no ano. “A Ala 2 é escolhida para sediar o exercício por ser uma base exclusivamente militar, com áreas específicas para treinamento, sem interferência do tráfego aéreo geral, e também devido à meteorologia extremamente favorável nesta época do ano”, disse o Comandante da Ala 2 e Diretor do Exercício, Coronel Aviador Antonio Marcos Godoy Soares Mioni Rodrigues.

Neste ano, esse treinamento faz parte do preparo para a Operação CRUZEX FLIGHT 2018, o maior exercício multinacional e conjunto realizado pela FAB, que ocorrerá em novembro, na cidade de Natal (RN).

FONTE: Força Aérea Brasileira

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas