Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

França pode substituir peças dos EUA em míssil SCALP para o Egito

O Egito ainda pode receber mísseis de cruzeiro MBDA SCALP da França, se estiver disposto a aceitar um atraso, enquanto os componentes fabricados nos EUA são substituídos pelos franceses.


Poder Aéreo

Respondendo a perguntas sobre exportações de armas na Assembleia Nacional do país, a ministra francesa da Defesa, Florence Parly, disse que a decisão dos Estados Unidos de usar o acordo ITAR (International Traffic in Arms Regulations) para bloquear a venda do míssil de cruzeiro de ataque terrestre lançado pelo ar para o Egito poderia ser contornado se as peças construídas na França fossem usadas, mas isso levaria tempo.

Míssil SCALP
Míssil SCALP

“Neste caso, não poderemos levantar a oposição dos EUA à venda de mísseis SCALP [para o Egito]. A única coisa que podemos fazer é que a MBDA faça algum investimento em pesquisa e desenvolvimento para poder fabricar componentes similares que não são cobertos pelo ITAR ”, disse Parly durante uma sessão de 4 de julho da assembleia, cuja transcrição foi recentemente publicada. “Podemos fazer isso para o SCALP/Rafale egípcio, já que o novo míssil pode ser construído com um atraso razoável, embora o cliente possa achar esse atraso um pouco longo demais”, acrescentou ela, sem quantificar a duração do atraso.

Como observou Parly em sua resposta, a questão do regulamento ITAR não está apenas afetando a venda do míssil SCALP para o Egito, mas também do Dassault Rafale que o transportará. O Cairo pretende adicionar mais 12 aos 24 aviões que já comprou de Paris, com essas plataformas adicionais sendo equipadas com o míssil SCALP. Segundo relatos, o governo egípcio não vai assinar pela nova aeronave a menos que os mísseis estejam incluídos.

FONTE: Jane’s

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas