Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

França pode substituir peças dos EUA em míssil SCALP para o Egito

O Egito ainda pode receber mísseis de cruzeiro MBDA SCALP da França, se estiver disposto a aceitar um atraso, enquanto os componentes fabricados nos EUA são substituídos pelos franceses.


Poder Aéreo

Respondendo a perguntas sobre exportações de armas na Assembleia Nacional do país, a ministra francesa da Defesa, Florence Parly, disse que a decisão dos Estados Unidos de usar o acordo ITAR (International Traffic in Arms Regulations) para bloquear a venda do míssil de cruzeiro de ataque terrestre lançado pelo ar para o Egito poderia ser contornado se as peças construídas na França fossem usadas, mas isso levaria tempo.

Míssil SCALP
Míssil SCALP

“Neste caso, não poderemos levantar a oposição dos EUA à venda de mísseis SCALP [para o Egito]. A única coisa que podemos fazer é que a MBDA faça algum investimento em pesquisa e desenvolvimento para poder fabricar componentes similares que não são cobertos pelo ITAR ”, disse Parly durante uma sessão de 4 de julho da assembleia, cuja transcrição foi recentemente publicada. “Podemos fazer isso para o SCALP/Rafale egípcio, já que o novo míssil pode ser construído com um atraso razoável, embora o cliente possa achar esse atraso um pouco longo demais”, acrescentou ela, sem quantificar a duração do atraso.

Como observou Parly em sua resposta, a questão do regulamento ITAR não está apenas afetando a venda do míssil SCALP para o Egito, mas também do Dassault Rafale que o transportará. O Cairo pretende adicionar mais 12 aos 24 aviões que já comprou de Paris, com essas plataformas adicionais sendo equipadas com o míssil SCALP. Segundo relatos, o governo egípcio não vai assinar pela nova aeronave a menos que os mísseis estejam incluídos.

FONTE: Jane’s

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas