Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Kiev se gaba do 'poder' de suas Forças Armadas: 'Rússia se engasgará com próprio sangue'

O vice-ministro para os Territórios Temporariamente Ocupados da Ucrânia, Yuri Grymchak, ameaçou a Rússia com uma resposta "sangrenta".


Sputnik

Segundo ele, há dois anos que previu uma "ofensiva" da Rússia contra a Ucrânia e estimou uma série de derrotas ucranianas. No entanto, agora ele afirma que o Exército ucraniano possui condições melhores do que anteriormente. 

Militares ucranianos participam dos exercícios
Militares ucranianos © AFP 2018 / YURIY DYACHYSHYN

"Naquela época eu disse que eles [russos] se engasgariam com nosso e seu próprio sangue. Hoje me parece que eles se engasgarão com seu próprio sangue em caso de uma ofensiva", expressou ele em entrevista ao Apostrophe.

O vice-ministro observou que, durante esse período, Kiev "mudou muita coisa" no exército, no equipamento e no armamento, e a situação nas Forças Armadas da Ucrânia é "incomparável" em relação a 2014.

Frequentemente em Kiev tentam propagar as Forças Armadas da Ucrânia como sendo "defensoras de toda a Europa". Mas na realidade, o exército ucraniano enfrenta sérios problemas.

Em outubro do ano passado, o procurador militar Anatoly Matios relatou que, desde 2014, mais de dez mil militares foram mortos e feridos por motivos que não estão relacionados com os combates em Donbass. O ministro da Defesa da Ucrânia, Stepan Poltorak, justificou as perdas como sendo consequência de doenças, violação de medidas de segurança e consumo de álcool.

Em julho, o deputado da Suprema Rada (Parlamento da Ucrânia) Andrei Biletsky falou sobre a situação catastrófica do armamento das Forças Armadas ucranianas. Ele observou que o desgaste das armas disponíveis na Ucrânia desde os tempos soviéticos já está próximo a ser crítico e que o equipamento necessário não é fabricado devido à corrupção.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas