Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Lockheed oferece jato híbrido de F-22/F-35 à USAF

Com o corpo de Raptor e o cérebro do JSF, o novo jato teria como objetivo responder às ameaças russas e chinesas da próxima década


Poder Aéreo

A Lockheed Martin está oferecendo discretamente à Força Aérea dos EUA, uma nova variante do F-22 Raptor, equipada com a aviônica de missão mais moderna do F-35 e algumas mudanças estruturais, informou o site americano Defense One.

F-22 e F-35

Essa é uma das várias opções que estão sendo oferecidas para os militares e aliados dos EUA, enquanto a Lockheed explora como poderá atualizar seus jatos de combate para conter as ameaças russas e chinesas previstas pelas autoridades militares na próxima década, segundo pessoas com conhecimento direto do planejamento.

“Estão construindo uma aeronave híbrida”, David Deptula, um tenente-general aposentado da Força Aérea que agora é reitor do Instituto Mitchell de Estudos Aeroespaciais. “Não é um F-22. Não é um F-35. É uma combinação disso. Isso pode ser feito muito mais rapidamente do que a introdução de um novo design”.

A nova variante – similar a que a Lockheed está oferecendo para o Japão – incorporaria o sistema de missão mais moderno do F-35 e “outros avanços nos revestimentos stealth e coisas dessa natureza”, segundo uma pessoa familiarizada com a proposta.

“Há muito potencial nessa ideia”, disse Deptula. “Eu não estou sugerindo que iremos direto ao ponto e aceitemos isso, mas da perspectiva japonesa, quando eles estão buscando e dispostos a investir nesse tipo de alternativa, em vez de tentar construir uma aeronave autóctone que não vai conseguir chegar perto do que um F-22 já pode oferecer. É uma jogada inteligente em nome deles.”

Um porta-voz da Lockheed se recusou a comentar sobre o projeto.

A proposta tem ecos da evolução dos anos 90 do F/A-18 Hornet no Super Hornet. Oferecido como um projeto de baixo risco, o F/A-18E/F acabou por exigir um redesenho de quase todas as partes externas. A nova asa provou ser inicialmente problemática, mas o design acabou sendo bem sucedido.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas