Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Manobras russas mostrarão ao Ocidente seu lugar na competição com Rússia, segundo mídia

O Ocidente irá simplesmente observar como "foi ultrapassado em tecnologia militar" durante o decorrer das manobras russas Vostok 2018, reporta a Contra Magazin.


Sputnik

Nos últimos anos, o presidente russo Vladimir Putin investiu principalmente na tecnologia de mísseis: "Tecnologias que ultrapassaram todos os análogos ocidentais", observa o autor do artigo, Hans-Juergen Klose.

Lançamento de mísseis Bulava
Lançamento do míssil russo Bulava © Foto : Russian Defense Ministry

Klose enfatiza que "perante a política agressiva dos EUA e a criação de um sistema global de defesa antimíssil ao longo da fronteira russa, Putin responde com manobras muito longe do Ocidente, para não assustar ninguém".

Segundo a publicação, os sistemas de mísseis Bulava, Sineva, Sarmat e RS-26 Rubezh superam tudo o que os Estados Unidos têm em terra e no mar: o lançamento de apenas um RS-26 com suas 10 ogivas nucleares controladas individualmente convencerá o Ocidente de que, no setor militar, ele está em segundo lugar.

Previamente, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, informou que nas manobras, que ocorrerão entre 11 e 15 de setembro, participarão cerca de 300 mil militares, 36 mil veículos de combate e mais de mil aeronaves, sendo as manobras de maior envergadura desde os exercícios Zapad 81.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas