Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Manobras russas mostrarão ao Ocidente seu lugar na competição com Rússia, segundo mídia

O Ocidente irá simplesmente observar como "foi ultrapassado em tecnologia militar" durante o decorrer das manobras russas Vostok 2018, reporta a Contra Magazin.


Sputnik

Nos últimos anos, o presidente russo Vladimir Putin investiu principalmente na tecnologia de mísseis: "Tecnologias que ultrapassaram todos os análogos ocidentais", observa o autor do artigo, Hans-Juergen Klose.

Lançamento de mísseis Bulava
Lançamento do míssil russo Bulava © Foto : Russian Defense Ministry

Klose enfatiza que "perante a política agressiva dos EUA e a criação de um sistema global de defesa antimíssil ao longo da fronteira russa, Putin responde com manobras muito longe do Ocidente, para não assustar ninguém".

Segundo a publicação, os sistemas de mísseis Bulava, Sineva, Sarmat e RS-26 Rubezh superam tudo o que os Estados Unidos têm em terra e no mar: o lançamento de apenas um RS-26 com suas 10 ogivas nucleares controladas individualmente convencerá o Ocidente de que, no setor militar, ele está em segundo lugar.

Previamente, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, informou que nas manobras, que ocorrerão entre 11 e 15 de setembro, participarão cerca de 300 mil militares, 36 mil veículos de combate e mais de mil aeronaves, sendo as manobras de maior envergadura desde os exercícios Zapad 81.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas