Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Militar de 26 anos torna-se a primeira mulher piloto de caça no Japão

Ao receber sua certidão, a militar pioneira disse que espera que mais mulheres sigam seus passos.


EFE


A primeiro-tenente Misa Matsushima, de 26 anos, se tornou a primeira mulher piloto de aviões de combate do Japão, função que há apenas três anos era exclusivamente reservada aos homens.


Primeira Tenente Misa Matsushima posa no cockpit de um caça de superioridade aérea F-15J na base aérea de Nyutabaru, nos arredores de Miyazaki (Foto: Jiji Press/AFP)
Primeira Tenente Misa Matsushima posa no cockpit de um caça de superioridade aérea F-15J na base aérea de Nyutabaru, nos arredores de Miyazaki (Foto: Jiji Press/AFP)

Misa, que recebeu seu certificado como piloto de caças F-15 na última quarta-feira foi destacada para a base aérea de Nyutabaru, informou à Agencia Efe um porta-voz das Forças Aéreas de Autodefesa.

"Quero me tornar uma piloto completa o mais rápido possível para abrir caminho a outras mulheres", disse Misa Matsushima, após obter sua certidão, em declarações divulgadas pelo jornal japonês "Asahi".

A primeiro-tenente também manifestou seu desejo de que quando a vissem "aumente o número de pessoas que desejem ser piloto".

Misa Matsushima juntou-se às Forças Aéreas de Autodefesa após se formar na Academia Nacional de Defesa, em 2014, e dois anos depois de obter uma licença de piloto, começou a preparação para conduzir aviões de combate.

As Forças Aéreas de Autodefesa do Japão suspenderam o veto para presença de mulheres em todas as áreas em 1993, exceto na condução dos aviões de combate e reconhecimento, que foi aberta para mulheres em 2015.

A presença da mulher no exército japonês continua sendo baixa e apenas 6% do pessoal militar - 14 mil soldados - são mulheres, um número que está atrás de potências como os Estados Unidos e outros países industrializados, onde a média é dentre 10 e 15%, segundo dados do Ministério da Defesa do Japão.

O governo propôs dobrar a presença da mulher entre suas tropas nos próximos anos, em uma época que também busca promover sua incorporação em diferentes áreas de trabalho para enfrentar a falta de profissionais gerada pelo rápido envelhecimento da população e a baixa taxa natalidade.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas