Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Novo foco de tensão? Bombardeiros dos EUA aparecem sobre mar da China Oriental

De acordo com um recente comunicado militar do Comando Indo-Pacífico dos EUA, no início de agosto bombardeiros B-52 da Força Aérea dos EUA sobrevoaram o mar da China Oriental, nas proximidades do Japão, como parte de uma missão conjunta de treinamento com a Marinha dos EUA.


Sputnik

Dois bombardeiros B-52 Stratofortress da Força Aérea e dois aviões P-8 Poseidon da Marinha realizaram voos na região, no dia 1º de agosto, para melhorar a "integração das forças armadas", informou o Departamento de Relações Públicas da Força Aérea dos EUA no dia 3 de agosto.

Bombardeiro estratégico B-52 da Força Aérea dos EUA
B-52 Stratofortress da USAF © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

Desde 2004, o Comando Indo-Pacífico dos EUA (USINDOPACOM), conduziu o chamado programa de "Continuous Bomber Presence" (CBP), afirma o comunicado.

De acordo com o USINDOPACOM, os exercícios foram realizados dentro do espaço determinado pelas leis internacionais, um espaço considerado "vital para os princípios que são a base do sistema operacional global baseado em regras".

Os voos podem ter prosseguido por mais de um dia, enquanto imagens da Força Aérea datadas de 2 de agosto mostram que um B-52 foi reabastecido.

De acordo com anúncios do governo dos EUA disponíveis publicamente, uma aeronave B-52 voou para o mar da China Oriental, depois de decolar da Base da Força Aérea de Barksdale, no Louisiana. Depois de conduzir uma missão de treinamento de rotina, os aviões aterrissaram na Base Aérea de Andersen, Guam, um território dos EUA na Micronésia.

Em junho, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, não pareceu apreciar a presença de bombardeiros americanos no mar do Sul da China. "Correr livremente é arriscado", disse ela aos repórteres.

"A China não terá medo de nenhum navio ou aeronave militar e tomaremos todas as medidas necessárias para defender a soberania e a estabilidade do país, para proteger a paz e a estabilidade do mar do Sul da China", disse a porta-voz.

Os EUA criticaram repetidamente Pequim por militarizar as áreas disputadas do mar do Sul da China com a construção de infraestruturas militares em arquipélagos também reivindicados por várias outras nações. Em junho, após outra incursão de um B-52 na região, Hua disse a repórteres durante um briefing: "Espero que os EUA deixem claro se estão considerando enviar armas estratégicas ofensivas como bombardeiros B-52 ao mar do Sul da China para militarizar […] Se você costuma ter alguém chegando à sua porta fortemente armado, você não deveria fortalecer suas capacidades de segurança e defesa?"

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas