Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Quais são chances do Su-35 russo frente aos caças furtivos dos EUA?

O caça russo de quarta geração Su-35 supera significativamente todos os análogos ocidentais, mas a sua capacidade de lutar de igual para igual contra os caças furtivos de quinta geração dos EUA F-22 e F-35 por enquanto não é confirmada, escreve a revista The National Interest.


Sputnik

Conforme a edição, a vantagem principal dos caças Su-35 é sua supermanobrabilidade. Esta é atingida graças aos motores turboreativos AL-41F1S que permitem ao avião atacar de ângulos muito altos, fazer manobras mais difíceis, bem como facilmente evitar os mísseis inimigos.

Caça Su-35 no ar durante o concurso em Primorie
Sukhoi Su-35 © Sputnik / Anton Balashov

O avião é capaz de atingir a velocidade de 2.756 km/h, a sua altitude máxima é de 18 quilômetros e o alcance de voo pode atingir 4.500 quilômetros.

Conforme a NI, o Su-35 usa os mísseis de radares autoguiados K-77M com um alcance de mais de 190 quilômetros. A curtas distâncias é usado o míssil R-74 com direção de infravermelhos, que o piloto pode dirigir independentemente com ajuda de um sistema de pontaria ótica no capacete. Além disso, no arsenal do Su-35 há mísseis R-27 de médio alcance e R-37 de longo alcance, destinados a lutar contra os sistemas de radares de longo alcance e aviões de reabastecimento em condições de guerra radioeletrônica.

O mais importante meio de luta do Su-35 contra os caças furtivos, como se supõe, é o radar Irbis-E de matriz faseada passiva com escaneamento eletrônico, bem como o sistema ótico de localização OLS-35.

Conforme a revista, todos esses fatores fazem com que o Su-35 supere todos os análogos ocidentais de quarta geração, incluindo os americanos F-15 e europeus Eurofighter e Rafale.

No entanto, todas as suas vantagens, de acordo com a edição, não o ajudarão na luta contra os caças furtivos norte-americanos de quinta geração F-22 e F-35, que poderão detectar o caça russo à distância de até 160 quilômetros e lançar uma série de mísseis contra o avião. Mas mesmo assim, o Su-35 pode opor resistência ao F-22 e F-35 se de qualquer maneira reduzir a distância e entrar na zona de detecção visual e infravermelha.

Apesar de todos os argumentos, a revista conclui que é difícil dizer ao certo qual dos aviões é melhor e só os testes de combate poderão decidir, já que o resultado da luta aérea depende muito de outros fatores, tais como equipamento adicional, preparação do piloto ou trajetória de voo.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas