Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Resposta ao míssil balístico de Putin? EUA criam seu próprio 'Sarmat'

Segundo a mídia americana, a escolha do nome nada mais é do que uma tentativa do Departamento de "zombar" de Moscou.


Sputnik

O Departamento de Estado dos EUA anunciou a criação de uma nova posição para lutar contra as "atividades malignas da Rússia" e que foi batizada de Senior Advisor for Russian Malign Activities and Trends (Assessor Sênior para Atividades e Tendências Malignas da Rússia), ou SARMAT — um acrônimo que combina com o nome do sistema de mísseis russos Sarmat, relatou a CNBC.

Testes do míssil balístico intercontinental Sarmat, 29 de março de 2018
Teste do míssil russo Sarmat © Foto : Ministério da Defesa da Rússia

"Trollar é o último golpe no confronto entre EUA e Rússia, já que os dois países continuam participando de um conflito insólito, tão típico do século XXI", disse o autor da publicação, Tucker Higgins.

De acordo com a mídia, o confronto entre os EUA e a Rússia passou dos campos de batalha sírios para a "zona de guerra" dos memes e se tornou uma "guerra dialética" que pode ser comparada à Guerra Fria.

Por sua parte, o ex-embaixador dos EUA na Rússia e autor do livro "Da Guerra Fria à paz quente", Michael McFaul, descreveu como "curiosas" as tentativas de Washington de "trollar" o Kremlin.

Por sua vez, o ex-funcionário do Departamento de Estado, Stephen Sestanovich, manteve-se cético sobre a criação do novo cargo SAMART e brincou que a notícia "poderia ter sido inventada por algum comediante". Ele também disse que "um acrônimo engraçado" não pode melhorar as relações entre Washington e Moscou.

Mas o que fará o SARMAT americano?

De acordo com uma declaração oficial do secretário de Estado adjunto dos EUA, Wess Mitchell, ele será responsável por "desenvolver as estratégias inter-regionais entre os departamentos" e "expor publicamente as atividades malignas da Rússia".

O Sarmat russo é um míssil hipersônico intercontinental pesado, capaz de transportar até 15 ogivas termonucleares manobráveis. Um único projétil deste tipo poderia cobrir uma área de até 700 mil quilômetros quadrados, o equivalente ao território de países como a França ou o estado do Texas.

Deve-se notar que em várias ocasiões o Kremlin afirmou que o novo armamento russo não se destina a atacar ninguém, mas serve para garantir a segurança do país.

A esse respeito, o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, reafirmou que era errado ver a mensagem de Putin à Assembleia Federal como um gesto militarista, já que a ideia principal era a necessidade de dar um salto tecnológico.

"Eu repito o que o presidente disse, a Rússia não vai atacar ninguém, essas armas não ameaçam quem não tem planos de atacar o nosso país", explicou.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas