Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel concentra mais forças na fronteira com Faixa de Gaza e está pronto a agir

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) concentraram mais forças na fronteira com a Faixa de Gaza e estão prontas para usá-las se for necessário, comunica a assessoria da entidade militar.
Sputnik

A decisão foi tomada no decurso da reunião no Estado-Maior e é uma resposta aos combates de ontem (11), que causaram morte de um militar israelense e sete palestinos.


"As IDF aumentaram suas forças no Distrito Sul e estão dispostas, se for preciso, a agir com mais vigor", destaca o comunicado da entidade.

No decurso da operação militar que teve lugar no enclave palestino neste domingo (11) um tenente coronel de uma unidade especial israelense foi morto. Ao mesmo tempo, a parte palestina perdeu sete homens, inclusive um comandante militar. Após os confrontos, os palestinos lançaram 17 mísseis contra o sul de Israel, dois deles foram interceptados pelos sistemas de defesa antiaérea Iron Dome (Cúpula de Ferro).

Foi igualmente informado que, tendo em conta a situação, o prim…

Vídeo mostra palestino de 16 anos abatido por disparos do Exército israelense em Gaza (VIDEO)

O garoto morreu em decorrência dos ferimentos quando participava de um protesto


Juan Carlos Sanz | El País


Jerusalém - O palestino Ahmed Musbah Abu Tiyur, de 16 anos, participou na sexta-feira de um protesto na Faixa de Gaza, onde vive, na fronteira com Israel. Manifestou-se contra os cortes impostos pelos Estados Unidos à agência da ONU para os refugiados palestinos. O garoto, que ficou ferido por um disparo das tropas israelenses na zona de Rafah, no sul do enclave costeiro, morreu neste sábado, segundo informou o Ministério da Saúde palestino. Um vídeo difundido pelo Twitter mostra o momento em que ele foi abatido por um projétil.

Reprodução

Nos 47 segundos da gravação, pode-se observar Aby Tiyur na primeira fila do protesto agitando seus braços em direção ao muro de separação com Israel, em meio à fumaça provocada pela queima de pneus. O garoto joga depois uma pedra na direção da fronteira e volta a agitar os braços antes de receber um disparo e cair no chão. O vídeo é interrompido quando uma equipe de saúde chega para socorrê-lo.

Outro adolescente, Bilal Hafaye, de 17 anos, morreu também na sexta com um tiro no peito. Pelo menos 30 manifestantes sofreram ferimentos de bala e mais de 60 ficaram intoxicados pela inalação de gás lacrimogêneo. Mais de 160 palestinos morreram por disparos das forças israelenses desde o início dos protestos na fronteira de Gaza, em 30 de março passado. Um soldado israelense perdeu a vida desde então, ao ser atacado por um franco-atirador de uma milícia palestina.

O Exército israelense informou na sexta que 7.000 “baderneiros” haviam se concentrado em vários pontos da fronteira de Gaza, onde “queimaram pneus e jogaram pedras e bombas incendiárias, assim como uma granada, contra os soldados no muro”. As tropas responderam “de acordo com os procedimentos de operação habituais”.

Em nota, escritório de informações das Forças Armadas anunciou neste sábado uma investigação “sobre a morte de dois palestinos que participaram dos distúrbios”. “Os fatos serão examinados pela cadeia de comando correspondente”, acrescentou o comunicado, também difundido no Twitter, informando que os incidentes podem ser analisados pelo órgão de investigação interna do Exército.

O princípio de acordo para estabelecer uma trégua permanente entre Israel e o Hamás, movimento islamista palestino que governa de facto Gaza, parece ter se frustrado nesta semana. Os participantes de uma manifestação na última terça-feira contra a política dos EUA, que cancelou suas contribuições econômicas à UNRWA, a agência das Nações Unidas para os refugiados palestinos, causaram danos ao muro da passagem fronteiriça de Erez, único ponto autorizado para a circulação de pessoas entre Israel e a Faixa.

Desde então, a fronteira permanece fechada por decisão do Ministério da Defesa, que só pretende reabri-la dentro de uma semana. A medida agrava o isolamento e o bloqueio sofridos pelos dois milhões de habitantes de Gaza – dois terços deles reconhecidos como refugiados pela ONU – há mais de uma década.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas