Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Alemanha diz não ‘especular' sobre possível ataque contra Síria ao lado dos EUA

O porta-voz do Ministério da Defesa da Alemanha, Jens Flosdorff, disse nesta segunda-feira (10) que não especularia sobre a possibilidade de Berlim juntar-se aos possíveis ataques do ocidente contra o governo da Síria.


Sputnik

"Eu nãó quero especular, muitas mídias reportaram essa possibilidade. Mas tudo isso depende de uma situação específica […]. Nós ainda não atingimos esse ponto", contou Flosdorff em um comunicado.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chega ao encontro da OTAN em Bruxelas.
Angela Merkel © AP Photo / Geert Vanden Wijngaert

O jornal alemão Bild, reportou que o Ministério da Defesa da Alemanha está estudando a possibilidade de juntar-se aos possíveis ataques de EUA, Reino Unido e França contra a Síria, em caso de ocorrência de ataques com armas químicas.

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou no final de agosto que terroristas do grupo Tharir al-Sham, o antigo grupo terrorista Jabhat Fatah al Sham, banido da Rússia, estaria preparando ataques forjados em Idlib para acusar o governo sírio de uso de armas químicas, o que provocaria reações do ocidente.

Não seria a primeira vez que a coalizão liderada pelos EUA lançaria mísseis em ação conjunta em 2018. Em abril, a oposição síria, ao lado de países ocidentais, acusou Damasco de ser responsável por supostos ataques com armas químicas na cidade de Douma. Em consequência, EUA, Reino Unido e França atacaram a Síria em uma ação que gerou tensão no mundo inteiro devido à possibilidade de escalada nos conflitos.

Damasco, assim como Moscou, refutou as acusações de que o governo sírio seria responsável pelos ataques. Ambos afirmaram que o que houve foi uma encenação de militantes que planejaram a situação para colocar as tropas do governo em descrédito.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas