Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

Alemanha diz não ‘especular' sobre possível ataque contra Síria ao lado dos EUA

O porta-voz do Ministério da Defesa da Alemanha, Jens Flosdorff, disse nesta segunda-feira (10) que não especularia sobre a possibilidade de Berlim juntar-se aos possíveis ataques do ocidente contra o governo da Síria.


Sputnik

"Eu nãó quero especular, muitas mídias reportaram essa possibilidade. Mas tudo isso depende de uma situação específica […]. Nós ainda não atingimos esse ponto", contou Flosdorff em um comunicado.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chega ao encontro da OTAN em Bruxelas.
Angela Merkel © AP Photo / Geert Vanden Wijngaert

O jornal alemão Bild, reportou que o Ministério da Defesa da Alemanha está estudando a possibilidade de juntar-se aos possíveis ataques de EUA, Reino Unido e França contra a Síria, em caso de ocorrência de ataques com armas químicas.

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou no final de agosto que terroristas do grupo Tharir al-Sham, o antigo grupo terrorista Jabhat Fatah al Sham, banido da Rússia, estaria preparando ataques forjados em Idlib para acusar o governo sírio de uso de armas químicas, o que provocaria reações do ocidente.

Não seria a primeira vez que a coalizão liderada pelos EUA lançaria mísseis em ação conjunta em 2018. Em abril, a oposição síria, ao lado de países ocidentais, acusou Damasco de ser responsável por supostos ataques com armas químicas na cidade de Douma. Em consequência, EUA, Reino Unido e França atacaram a Síria em uma ação que gerou tensão no mundo inteiro devido à possibilidade de escalada nos conflitos.

Damasco, assim como Moscou, refutou as acusações de que o governo sírio seria responsável pelos ataques. Ambos afirmaram que o que houve foi uma encenação de militantes que planejaram a situação para colocar as tropas do governo em descrédito.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas