Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pentágono nega que avião russo tenha 'expulsado' bombardeiro americano do Báltico

O Pentágono não concorda que o bombardeiro estratégico norte-americano B-52H tenha sido expulso por um caça russo Su-27 sobre o mar Báltico, comunicou à Sputnik o representante da entidade militar americana Eric Pahon.
Sputnik

"O avião da Força Aérea dos EUA B-52H realizava operações rotineiras no espaço aéreo internacional segundo o princípio da liberdade de navegação e de voo. Em 20 de março, o B-52H teve um encontro ordinário com um Su-27 russo que efetuava operações sobre o mar Báltico", esclareceu o porta-voz do Pentágono.

Pahon acrescentou que o Su-27 não expulsou o B-52H, que conseguiu completar a sua missão.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou um vídeo de caças russos escoltando um bombardeiro estratégico americano Boeing B-52H sobre as águas neutras do mar Báltico. Segundo o comunicado, dois caças Su-27 levantaram voo para identificar e acompanhar a aeronave dos EUA.

De acordo com o Ministério, após o B-52H ter mudado de trajetória, distanciando-se da f…

Analista norte-americano põe em dúvida capacidade de combate do caça F-22

O caça pesado de quinta geração F-22 dos EUA não está apto para lutar contra os melhores aviões russos, tampouco para interceptar incursões fronteiriças – essa foi a conclusão do colunista militar da revista Business Insider, Alex Lockie.


Sputnik

Recentemente, no céu do Alasca se encontraram novíssimos caças da Força Aérea dos EUA e da Força Aeroespacial russa. De acordo com o analista da revista, em caso de uma luta entre os dois aviões, os norte-americanos a perderiam.

F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA
F-22 Raptor © REUTERS / Master Sgt. Kevin J. Gruenwald

Enquanto o "irmão caçula" do F-22 Raptor, o F-35 Lightning II, foi concebido principalmente para atacar alvos ligeiros no ar ou bombardear instalações terrestres, representando a classe de aviões de assalto ligeiros, o Raptor visa assegurar a supremacia aérea, tendo como objetivo limpar e defender o espaço aéreo sobre o campo de batalha, assinalou Lockie.

Por sua vez, na Rússia são os caças com alta capacidade de manobra Su-30SM e Su-35 que cumprem esta função. Em comparação com os aviões russos, a aeronave norte-americana empalidece, e não somente devido às tecnologias furtivas, de acordo com a revista.

O F-22 tem pouco armamento, a aeronave aposta nas suas capacidades furtivas. Sendo assim, um encontro cara a cara com o moderno caça russo o colocaria em uma posição desvantajosa, indica o colunista.

De acordo com ele, o Su-35 possui melhores capacidades de manobra, o que lhe dá uma grande vantagem ao evitar ser atingido por mísseis do inimigo, tanto durante um combate a longa distância, como em um combate de proximidade.

"Quando estava voando em F-22, meu objetivo era evitar um combate com manobras com o inimigo. Em vez disso, nós utilizamos as vantagens furtivas naturais do caça", contou à Business Insider o piloto aposentado David Berke.

Alex Lockie indicou também que as capacidades furtivas podem ser uma espada de dois gumes.

Para as usar, o caça ataca com o radar desligado, usando um avião de vigilância por radar de longo alcance que detecta e acompanha os alvos. Contudo, se o último for derrubado, tomando em consideração que o exército russo possui mísseis antiaéreos especiais de longo alcance, o F-22 irá ficar cego e indefeso.

Ele acrescentou que as tecnologias furtivas tornam o Raptor pouco útil para proteção das fronteiras norte-americanas. Quando um caça se aproxima de um avião que se introduziu no espaço aéreo, mostra seus mísseis suspensos debaixo das asas como medida de dissuasão. Mas o armamento do F-22 está escondido em compartimentos internos da fuselagem, devido ao design furtivo, por isso não tem nada para mostrar, conclui o autor.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas