Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Lançamento do Submarino Riachuelo – S40 (VIDEO)

Hoje, 14 de dezembro, às 10h da manhã em Itaguaí-RJ, teve início a Cerimônia de Lançamento do Submarino Riachuelo, o primeiro de uma série de quatro submarinos convencionais e um nuclear que estão sendo construídos pela Marinha do Brasil. A cerimônia conta com a presença do Presidente da República.
Poder Naval

O nome do primeiro submarino, “Riachuelo”, é alusivo à Batalha Naval do Riachuelo, considerada decisiva na Guerra do Paraguai, com atuação destacada da Marinha do Brasil.


Acompanhe a Cerimônia em tempo real no vídeo no final deste post.
Prosub

O Brasil tem o mar como uma forte referência em todo o seu desenvolvimento. É nessa área marítima que os brasileiros desenvolvem as atividades pesqueiras, o comércio exterior e a exploração de recursos biológicos e minerais. A imensa riqueza das águas, do leito e do subsolo marinho nesse território justifica seu nome: Amazônia Azul.

A Amazônia Azul cobre uma área de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Mas o país pleiteia na Organização das Naç…

ASTROS 2020 – Poder de Fogo, Tecnologia e Dissuasão Extrarregional (VIDEO)

O Exército Brasileiro dobrará em curto espaço de tempo a capacidade de fogo de sistemas ASTROS 2020 com a criação do 16º Grupo de Mísseis e Foguetes


Pedro Paulo Rezende | DefesaNet

Brasília —O Exército Brasileiro já iniciou o processo de implantação de uma segunda unidade equipada com o sistema de lançamento ASTROS 2020, fabricado pela AVIBRAS Aeroespacial, com as obras de construção das instalações do 16º Grupo de Mísseis e Foguetes no Forte Santa Bárbara, localizado na cidade goiana de Formosa.


Disparo de munição SS-30. Foto PEE Astros 2020

A unidade será formada a partir da desativação e transferência de pessoal do 16º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado, atualmente sediado na cidade gaúcha de São Leopoldo, e equipado com obuseiros autopropulsados M-109A3.

O comandante logístico, General-de-Exército Carlos Alberto Neiva Barcellos, anunciou a medida na manhã de hoje, durante a cerimônia de recebimento pelo 6º Grupo de Misseis e Foguetes (6º GMF), Grupo José Bonifácio-Ernesto Geisel, de oito unidades do Sistema ASTROS 2020.

O 6º Grupo de Mísseis e Foguetes recebeu as seguintes unidades montadas no padrão Mk-6:

- duas unidades controladoras de fogo;
- três unidades meteorológicas, e.
- três oficinas veiculares e eletrônicas.

O padrão Mk-6 é o mais moderno, capaz de monitorar o disparo dos futuros foguetes guiados SS-40G, e do míssil de cruzeiro AV-TM (MTC-300), que se encontram em fase final de desenvolvimento.

Até o final do ano, estará completa a primeira fase do Programa ASTROS 2020, com a atualização de todas as viaturas lançadoras e remuniciadoras do 6º GFM, construídas no padrão Mk-2 e Mk-3, para o padrão Mk-3M.

Desta forma, estarão aptas a disparar as munições previstas para a versão mais moderna. A entrega das viaturas marcou o 76º aniversário do 6º GMF, criado em 1º de outubro de 1942, como grupo de artilharia de costa motorizado, na cidade paulista de Praia Grande.

Infraestrutura

Em seu discurso, o General Barcellos destacou os avanços do Programa ASTROS 2020 no Forte Santa Bárbara. Neste ano, já estão em pleno funcionamento as instalações do Comando de Artilharia do Exército; a Base de Administração e Apoio do Comando de Artilharia; o Centro de Instrução de Artilharia de Mísseis e Foguetes e o Centro de Logística de Mísseis e Foguetes.

Ele também citou o desenvolvimento do simulador do sistema, a cargo da Universidade Federal de Santa Maria (RS).

Com a ativação futura do 16º Grupo de Foguetes e Mísseis, o Brasil passará a contar com 96 viaturas lançadoras (atualmente, são 48). A dotação de cada organização militar é de cerca de cem veículos incluindo os diretores de tiro, as unidades meteorológicas, remuniciadoras e oficinas.

Segundo o gerente do Programa Estratégico do Exército (PEE) Astros 2020, general da reserva José Júlio Dias Barreto, o sistema cumpre um dos objetivos da Estratégia Nacional de Defesa aprovada em 2008: contribuir com uma dissuasão extrarregional.

Futuro

O míssil de cruzeiro AV-TM (MTC-300) será o principal vetor de dissuasão. Com alcance de 300 quilômetros e capacidade carga útil 200 kg, para se adequar ao Regime de Controle de Mísseis e Foguetes (MTCR), tem um grande potencial de exportação. Segundo fontes do Exército, o programa de homologação depende dos tiros de validação do alcance máximo, que ainda não foram realizados em função da falta de sistemas de monitoramento e de locais adequados à função.

O Campo de Provas Brigadeiro Velloso da Força Aérea Brasileira (FAB), localizado na Serra do Cachimbo (Pará), está limitado a disparos de até 120 quilômetros de alcance. Além disto, nenhuma das Forças Armadas dispõe de radares de monitoramento capazes de cumprir a missão.

Segundo uma fonte, o Centro de Avaliações do Exército, localizado na Restinga da Marambaia, Rio de Janeiro, possui um equipamento móvel que poderia atender os requisitos necessários para os testes de homologação, mas está com defeito.

— No momento, avaliamos se o equipamento tem conserto, caso contrário, seremos obrigados a adquirir um novo sistema no exterior, o que deve atrasar o processo em pelo menos um ano — afirmou o oficial. — A questão do disparo em alcance máximo pode ser resolvida de maneira mais simples a partir dos centros de lançamento de Alcântara, no Maranhão, ou de Barreira do Inferno, no Rio Grande do Norte.

Marinha do Brasil interessada em uma versão naval do AV-MT (MTC-300)

O Corpo de Fuzileiro Navais da Armada (CFN) já o adota o Sistema ASTROS 2020.

Agora além do Exército e so Fuzileiros, a Marinha observa com atenção o desenvolvimento do AV-MT (MTC-300). Dependendo dos testes de homologação, há interesse da força naval em duas versões disparadas de contenedores. Uma, seria equipada com uma ogiva antinavio e com sistema de guiagem atualizado por datalink alimentado por aeronave ou submarino. A segunda versão serviria para engajar alvos terrestres.

Nas recentes manobras RIMPAC (Orla do Pacífico) a US Navy testou o emprego, e considerou ponto alto, o lançamento de foguetes lançados desde plataformas “High Mobility Artillery Rocket System”- HIMARS (uma cópia americana, sem constrangimento, do ASTROS II), baseadas em terra.

Anteriormente também a US Navy, lançou desde convoo de navio de transporte diretamente de viaturas HIMARS. Na foto abaixo o disparo de um foguete desde um a plataforma HIMARS do US Marine Corps, posicionada no convoo do USS Anchorage (LPD 23), durante a Operação Dawn Blitz 2017, Outubro 2017.

Disparos

O ponto alto do evento foi o disparo de três foguetes SS-30 (30km alcance), a partir de três lançadoras, o primeiro deles pelo general Barcellos. Além do comandante logístico, participaram da cerimônia o secretário de Economia e Finanças do Exército (SEFA), General-de Exército Marcos Antônio Amaro dos Santos; os comandantes militar do Planalto, General-de-divisão Sérgio da Costa Negraes, e da Força de Fuzileiros Navais, vice-almirante Paulo Martino Zuccaro, e o secretário de desenvolvimento da infraestrutura do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Pedro Capeluppi.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas