Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Bombardeiros russos são escoltados por jatos britânicos durante exercícios

Dois bombardeiros estratégicos russos Tu-160 realizaram voos sobre águas neutras perto do Ártico, com apoio de caças MiG-31, segundo informou o Ministério da Defesa da Rússia na noite desta quinta-feira.


Sputnik

"Dois bombardeiros estratégicos Tu-160 realizaram um voo planejado sobre as águas neutras das bacias dos mares de Barents, Noruega e Norte. O apoio de aviação à aeronave de longo alcance foi fornecido pelas tripulações dos caças MiG-31", disse a Defesa russa em comunicado, explicando que o exercício teria durado mais de 14 horas.

Um bombardeiro estratégico Tu-160 da Força Aeroespacial russa
Bombardeiro russo Tupolev Tu-160 © Sputnik / Vladimir Sergeev

Durante o voo, ainda de acordo com o ministério, as aeronaves russas teriam recebido a companhia de aviões da Força Aérea Real, do Reino Unido, dos modelos Eurofighter Typhoon e F-16, embora não tenham violado o espaço aéreo de nenhum país.

De acordo com a Defesa britânica, no entanto, seus aviões apenas monitoraram os bombardeiros russos se aproximando do espaço aéreo do Reino Unido e, embora não tenha ocorrido qualquer violação, decidiram escoltar as aeronaves para o norte.

"Os bombardeiros russos de longo alcance Blackjacks [Tu-160] não estavam respondendo ao controle de tráfego aéreo, tornando-os um perigo para todas as outras aeronaves", disseram as autoridades britânicas ao explicar a situação.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas