Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Coalizão árabe admite 'erros' em bombardeio que matou 40 crianças no Iêmen

Matança em ônibus gerou uma onda de indignação internacional e vários pedidos de investigação.


France Presse

A coalizão liderada pela Arábia Saudita admitiu neste sábado (1) erros no bombardeio de agosto no Iêmen que matou 51 pessoas, incluindo 40 crianças.

Crianças feridas em ataque no dia 9 de agosto em Saada, no Iêmen, são atendidas em hospital (Foto: Naif Rahma/Reuters)
Crianças feridas em ataque no dia 9 de agosto em Saada, no Iêmen, são atendidas em hospital (Foto: Naif Rahma/Reuters)

O bombardeio, no dia 9 de agosto, atingiu um ônibus que transportava crianças em um mercado muito movimentado de Dahyan, na província de Saada, reduto dos rebeldes huthis, norte do país. O ataque foi atribuído à coalizão que ajuda o governo iemenita em conflito com os rebeldes.

A matança gerou uma onda de indignação internacional e vários pedidos de investigação. O Conselho de Segurança da ONU pediu um apuração "confiável e transparente".

A coalizão afirmou que tinha como alvo um ônibus que transportava rebeldes e pediu desculpas ao citar "danos colaterais".

O porta-voz da comissão de investigação do bombardeio, Mansur Al Mansur, voltou a defender neste sábado que no ônibus viajavam "líderes huthis" e que alguns rebeldes faleceram no ataque.

O bombardeio, no entanto, "provocou danos colaterais", completou, em referência às mortes das crianças, cujos responsáveis devem ser "castigados".

O porta-voz da comissão, apoiada pela coalizão internacional, disse que um dos erros foi que "a ordem para não atirar contra o ônibus que estava no meio dos civis chegou com atraso". Também se equivocaram porque "o objetivo não constituía um perigo imediato e o fato de atacar um ônibus em meio a uma zona residencial não era justificado no momento".

A coalizão liderada pela Arábia Saudita é acusada de cometer muitos abusos contra civis no conflito do Iêmen, no qual os rebeldes huthis recebem apoio do Irã, o grande inimigo regional da onarquia saudita.

As autoridades sauditas alegam que os huthis se misturam aos civis ou utilizam estes últimos como escudos humanos.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas