Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Coalizão dos EUA teria retirado combatentes do Daesh de Deir ez-Zor

A coalizão internacional encabeçada pelos EUA retirou vários militantes do agrupamento terrorista Daesh, proibido na Rússia e em outros países, da província síria de Deir ez-Zor, comunica a mídia síria, citando fontes locais.


Sputnik

De acordo com a agência SANA, os militares da coalizão efetuaram um desembarque perto da aldeia de Al-Murashida, onde estão concentradas as forças do Daesh, e levaram "funcionários" do agrupamento em direção desconhecida.

Situação em Deir-ez Zor
Deir ez-Zor, Síria © Sputnik / Mikhail Alaeddin

Os EUA e seus aliados têm travado uma operação contra o Daesh nos territórios da Síria e do Iraque desde 2014 sem aval por parte de Damasco.

No início de setembro, os militantes atacaram as posições do exército sírio à distância de 36 quilômetros a leste de Palmira. Eles tentaram avançar desde a região de Al-Tanf. Dois militantes foram mortos, outros dois ficaram reféns e deram depoimentos. Particularmente, eles contaram como planejavam efetuar uma série de atentados em Palmira e garantir o acesso à cidade aos outros terroristas.

Ainda de acordo com o depoimento, os militantes pertenciam ao agrupamento Leões Orientais, integrado por cerca de 500 homens. Aliás, seu campo de treinamento se situava junto à região de Al-Tanf, ou seja, perto de uma base militar estadunidense. Um dos terroristas capturados contou que seu grupo tinha sido treinado inclusive por instrutores dos EUA e abastecido com armas e munições produzidos no mesmo país.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas