Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Comandante das Forças de Israel: Exército está pronto para qualquer cenário de guerra

Em resposta a um relatório do órgão de controle das Forças de Defesa de Israel alegando que cortes de mão-de-obra prejudicaram a eficiência militar do país, o comandante em chefe Gadi Eisenkot elogiou a capacidade dos oficiais em uma carta aos membros do governo e do Parlamento.


Sputnik

O chefe do Estado-maior geral das Forças de Defesa de Israel (FDI), Gadi Eisenkot disse aos parlamentares que os militares estavam prontos para qualquer cenário no caso de uma guerra se desdobrar. "As FDI estão em um alto nível de preparação e prontidão para a guerra em relação a qualquer cenário de ameaça", escreveu ele em uma carta aos membros do gabinete de segurança e ao comitê parlamentar de relações exteriores e defesa, obtida pelo The Times of Israel.

Um soldado israelense em um veículo blindado após a visita do ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, nas colinas de Golã.
Tropas israelenses © REUTERS / Amir Cohen

Na carta, que foi anexada a um relatório confidencial, ele também elogiou a "inteligência e superioridade aérea de Israel, as capacidades terrestres e a abundante experiência operacional, que é testada diariamente em todos os cenários de guerra".

Sua declaração veio apenas alguns meses depois de Yitzhak Brick, um ombudsman das FDI, ter advertido que os militares estavam potencialmente despreparados para a guerra. Em um relatório anual divulgado no final de junho, ele citou uma aguda escassez de médicos e psiquiatras, bem como o efeito negativo das medidas de redução de custos sobre o moral de jovens oficiais.

Ele atribuiu falhas à estratégia de cinco anos iniciada em 2015, apelidada de Gideon, que reduziu o número de soldados de carreira para menos de 40 mil pessoas, dissolveu algumas unidades e tomou outras em uma tentativa de simplificar as forças armadas.

Também em 2015, o serviço militar obrigatório foi reduzido em três meses para os homens. De acordo com o relatório de Brick, quando combinados com cortes de mão-de-obra, isso fez com que os oficiais restantes tivessem de trabalhar mais para compensar a diferença, o que resultou em esgotamento e perda de motivação.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas