Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Como armas da Segunda Guerra Mundial se enfrentam na Síria

Durante a guerra na Síria, o Exército sírio e seus adversários têm usado armas diferentes, tanto novas, como bastante antigas. Algumas deles vêm da época da Segunda Guerra Mundial.


Sputnik

A guerra na Síria tem durado tanto tempo que, para poder continuar combatendo, ambos os lados às vezes recorrem a velhas e até lendárias armas, informou a edição Rossiyskaya Gazeta.


Fuzil de ação de culatra Mosin-Nagant, usado pelo Exército Imperial russo desde 1891
Fuzil de ação de culatra Mosin-Nagant, usado pelo Exército Imperial russo desde 1891 © SPUTNIK / VLADIMIR PESNIA

Uma dessas armas é o famoso fuzil de ação de culatra Mosin-Nagant, que entrou no serviço das Forças Imperiais russas em 1891. Uma foto publicada no Twitter mostra um soldado sírio com o fuzil destes, famoso por sua precisão, muito considerável para a época.

Essa arma foi fabricada em massa até os anos 50 do século XX. O alcance do fuzil atinge 1.300 metros e sua velocidade média de tiro é de 14 tiros por minuto. O carregador aloja cinco projéteis e seu peso é de 4,5 quilogramas, enquanto sua mira telescópica pesa apenas 300 gramas.

Na guerra síria essa arma ganhou fama por ser segura e fácil de usar.

A oposição armada, por sua vez, tem utilizado o fuzil de assalto alemão Sturmgewehr 44, segundo fotos publicadas em redes sociais. Essa arma foi desenvolvida na Alemanha nazista e foi utilizada durante a Segunda Guerra Mundial. Considera-se como o progenitor dos modernos fuzis de assalto. 

STG-44. Síria 2014 | Reprodução

Entre os anos 40 e 60 do século passado, as Forças Armadas da Síria tinham fuzis Sturmgewehr 44 em seu arsenal. Com o início da guerra civil, alguns exemplares deste fuzil armazenados nos arsenais do exército sírio foram capturados pelos terroristas e oposição armada.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas