Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

'Deus da Guerra' russo está voltando com nova força, diz mídia americana

A Rússia começou a modernização de sua artilharia pesada de longo alcance, escreve o jornal norte-americano The National Interest, chamando-a de "Deus da Guerra".


Sputnik

Trata-se do morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan de 240 milímetros e do obuseiro 2S7 Pion de 203 milímetros. Ambas as armas são capazes de disparar projéteis nucleares, "algo que a OTAN poderia ter sentido na sua pele se a Guerra Fria tivesse virado quente", escreve a edição, citando o Escritório de Estudos de Defesa Estrangeiro do Exército dos EUA (FMSO).

Morteiro autopropulsado russo 2S4 Tyulpan
Morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan de 240 milímetros © Sputnik / Kirill Kallinikov

Quando a Guerra Fria acabou, a Rússia enviou a maioria de sua artilharia de grande calibre para os armazéns, mas agora decidiu adaptar estes armamentos para os desafios modernos.

"Segundo relatos, o 2S4 está sendo modernizado para ser integrado nos sistemas russos de comando e controle de artilharia e ser equipado com modernos sistemas de comunicação e controle de fogo melhorados", escreve a edição, citando a FMSO.

Mesmo assim, os analistas da FMSO desconhecem por que razão a Rússia está devolvendo a sua velha artilharia. Segundo uma das versões, tal artilharia poderá ser usada para "pulverizar áreas urbanas e fortificações no campo", uma tarefa complicada para peças de artilharia russas de calibre menor.

Os especialistas avançam uma possível explicação: os projéteis para o 2S4 Tyulpan e 2S7 Pion são mais baratos para serem produzidos do que os mísseis balísticos.

O morteiro autopropulsado soviético de calibre 240 mm Tyulpan foi desenvolvido para destruir fortificações, pessoal e armas inimigos. Entrou em serviço em 1972, sendo usado pela primeira vez na guerra no Afeganistão.

O canhão autopropulsado 2S7 Pion de 203 milímetros foi desenhado para atacar a retaguarda do inimigo, realizar bombardeamentos maciços de alvos de importância especial e meios de ataque nuclear a uma distância tática de até 47 quilômetros. Entrou em serviço em 1975 e foi produzido até o colapso da URSS.

A artilharia é considerada historicamente talvez a arma mais poderosa do exército russo. Falando sobre o poderio da artilharia, o líder soviético Josef Stalin disse em 1941 o seguinte: "A artilharia é o mais importante gênero das tropas. A artilharia é o Deus da guerra moderna.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas