Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Diplomata chinês: Ocidente envia navios ao mar do Sul da China para 'criar problemas'

O embaixador da China no Reino Unido acusou "alguns grandes países" que não pertencem à região de "criarem problemas" no mar do Sul da China, onde Pequim está disputando grandes extensões de mar e atóis, relata The South China Morning Post.


Sputnik

Falando durante o Programa de Introdução para os Diplomatas da Commonwealth, o embaixador chinês Liu Xiaoming afirmou que os países regionais alcançaram avanços significativos na resolução das tensões no mar do Sul da China, mas certos países fora da área parecem querer estragar esta paz.

Porta-aviões USS Carl Vinson no mar do Sul da China
Porta-aviões norte-americano USS Carl Vinson © REUTERS / Z.A. Landers/Courtesy U.S. Navy

"No entanto, para a confusão de todos, alguns grandes países de fora da região pareciam não apreciar a paz e a tranquilidade no mar do Sul da China […] Eles enviam navios de guerra ao mar do Sul da China para criar problemas", declarou o embaixador.

Xiaoming também criticou a chamada "liberdade de operações de navegação" praticada por países como os Estados Unidos, qualificando-a de "violação séria da soberania da China".

No âmbito de tais operações, embarcações americanas passam pelas águas consideradas internacionais, não controlados por nenhum país, na prática rejeitando as reivindicações da China sobre os atóis na zona. Pequim afirma que as ilhas são parte legítima de seu território e que, portanto, controla as águas ao seu redor como parte de suas águas territoriais.

Os EUA iniciaram manobras de "liberdade de navegação" na região em 2015, mas estas viraram mais frequentes sob a administração de Donald Trump, nota o The South China Morning Post. Washington também tentou convencer outras nações a participarem desta prática.

Assim, em meados deste mês, o navio de guerra britânico HMS Albion passou perto das disputadas ilhas Paracel, controladas pela China. Pequim considerou o passo como "ação provocadora".

Além disso, na semana passada, o submarino japonês Kuroshio, junto com outros navios da Marinha do país, participou pela primeira vez das manobras no mar do Sul da China, mas as autoridades japonesas afirmaram que os exercícios não tencionam contrariar as atividades da China na região.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas