Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Embaixador do Irã: Mundo deve levar seriamente o plano da MI6 à Síria

O embaixador do Irã na Holanda enfatizou ao recente alerta do senador norte-americano Richard Black sobre um falso ataque de armas químicas na Síria pela agência de espionagem britânica MI6 para culpar Damasco.


Pars Today

Em um post em sua conta oficial no Twitter, Alireza Jahangiri disse que a posição de Black sobre um possível ataque com gás na Síria "prova" o que foi declarado repetidamente nas reuniões da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW). A comunidade internacional, acrescentou, deve prestar muita atenção aos comentários do senador republicano, a fim de evitar "desastres como a guerra do Iraque".

Embaixador do Irã: Mundo deve levar seriamente o plano da MI6 à Síria

Em entrevista à rede de televisão árabe al-Mayadeen, sediada no Líbano, na semana passada, Black avisou que o MI6 estava planejando realizar um ataque de gás ao povo sírio para implicar o governo do presidente Bashar al-Assad. "Há cerca de quatro semanas, sabíamos que a inteligência britânica estava trabalhando para um ataque químico, a fim de culpar o governo sírio, para responsabilizar a Síria", disse ele.

Em outra entrevista ao The Washington Post , o senador americano reiterou seus comentários, ressaltando que o Reino Unido não tinha intenção de realizar o ataque em si, mas era para direcionar os milícias, incluindo membros dos chamados Capacetes Brancos, para lançar o ataque.

"Pelo que posso dizer, eles planejam um ataque falso, não genuíno, mas onde realmente tiram pessoas de uma cidade e treinaram pessoas para retratar vítimas de um ataque com gás", disse ele. "E o plano é usar os Capacetes Brancos, que sempre estiveram envolvidos nesses enganos notórios, para retratar um ataque."

Black observou ainda que alguns dos ataques químicos anteriores na Síria foram "falsificações britânicas, arrancadas com a ajuda de ... Capacetes Brancos".

No final do mês passado, a Síria forneceu à ONU evidências que revelavam o plano dos terroristas takfiris de realizar um ataque químico no país a fim de dar aos Estados Unidos um pretexto para um ato de agressão. Da mesma forma, a Rússia alertou sobre tentativas de militantes para mais uma vez encenar um falso ataque com gás de bandeira enquanto o exército sírio se prepara para uma operação de libertação na província de Idlib, o último grande bastião terrorista do país árabe.

Em 7 de abril, um suposto ataque de armas químicas atingiu a cidade de Douma, no subúrbio de Damasco, no momento em que o exército sírio estava prestes a vencer a batalha contra os militantes de lá.

Estados ocidentais culparam o governo sírio pelo incidente, mas Damasco rejeitou firmemente a acusação. Uma semana depois do suposto ataque com gás, os EUA, Grã-Bretanha e França lançaram um ataque coordenado contra mísseis e instalações de pesquisa perto de Damasco e Homs com o objetivo de paralisar a capacidade do governo sírio de produzir produtos químicos. Isto é, enquanto a Síria entregou todo o seu estoque de produtos químicos em 2013 para uma missão liderada pela OPCW e pela ONU.

A Rússia e a Síria dizem que os terroristas planejam outro ataque químico de bandeira falsa para dar aos EUA e seus aliados um pretexto para atacar o governo que está se preparando para retomar Idlib.

O conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump, John Bolton, disse na segunda-feira que EUA, Grã-Bretanha e França concordaram que outro uso de armas químicas resultaria em uma "resposta muito mais forte" comparada aos ataques aéreos anteriores.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas