Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Escolta do Su-24 russo pela Força Aérea britânica 'é mentira descarada', diz especialista

O Ministério da Defesa da Rússia negou a declaração da Força Aérea britânica sobre a suposta escolta de caças russos Su-24 sobre o mar Negro na segunda-feira (13). Sobre este assunto comentou o analista militar russo Aleksandr Zhilin em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.


Sputnik

Conforme foi informado, no dia 13 de agosto quatro caças realizaram voos de treinamentos previstos, entre os quais não havia nenhum Su-24. Além disso, o Ministério russo sublinhou que os voos de aeronaves da aviação naval russa se efetuam em correspondência rigorosa com as regras internacionais sem violações das fronteiras de outros países.

Bombardeiro tático Su-24 no céu no decorrer dos exercícios das Forças Armadas russas
Sukhoi Su-24 © Sputnik / Pavel Lvov

O Ministério da Defesa russo também acrescentou que ninguém escoltava aviões russos e que no espaço aéreo havia apenas um caça da OTAN a 30 quilômetros de distância.

O analista militar, chefe do Centro de Estudo de Problemas Sociais Aplicados de Segurança Nacional, Aleksandr Zhilin, caracterizou os eventos no espaço de informação britânico, como histeria.

"Isso é um fake banal, baseado na ausência de profissionalismo e na mentira descarada. A Inglaterra comunicou que escoltou os caças russos sobre o mar Negro. Pergunta-se: o que vocês fazem lá? Tais voos sobre águas neutras são permitidos e nenhuma intercepção é feita desta maneira… Por isso, é um absurdo o que eles falam […] É necessário tratar disso com paciência, porque o que está acontecendo agora no espaço de informação britânico é histeria, além de desprovido de razão. Tenho a impressão de que, começando pelo caso Skripal, todos os ataques de informação de lá se criam em algum hospital psiquiátrico", disse ao serviço russo da Rádio Sputnik Zhilin.

De acordo com a versão da Força Aérea Real, dois caças Eurofighter Typhoon britânicos escoltaram o caça Su-24 da Rússia sobre as águas do mar Negro perto do espaço aéreo da OTAN. Os caças haviam decolado da base aérea na Romênia por causa de "seis aviões russos Su-24 que se aproximaram do espaço da OTAN".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas