Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Especialista militar: nem tudo está bem na Marinha britânica

O ex-comandante da Marinha do Reino Unido, Alan West, afirma que o país não é capaz de assegurar a proteção de suas águas territoriais. O especialista militar russo Aleksei Podberezkin comentou essa declaração ao serviço russo da Rádio Sputnik.


Sputnik

O ex-comandante da Marinha britânica, Alan West, expressou à edição The Independent a sua opinião de que o país não é capaz de assegurar a proteção de suas águas territoriais.

Destroier da Marinha Real Britânica HMS Diamond
Destroier britânico HMS Diamond © flickr.com/ Defence Images

Para ele, o recente conflito entre pescadores franceses e britânicos no canal da Mancha por causa da captura de vieiras demonstrou que o Reino Unido carece de navios para proteger suas águas territoriais, assinalando que depois do Brexit a situação será "catastrófica".

Além disso, ele acredita que o incidente revela as falhas de organização no trabalho dos serviços militares, em particular a ausência de um centro de comando único.

O diretor de pesquisas político-militares da Universidade de Relações Internacionais de Moscou e doutor em História, Aleksei Podberezkin, comentou ao serviço russo da Rádio Sputnik essa declaração.

"Tais declarações surgem quando se agrava a disputa em relação à construção de navios para a Marinha do Reino Unido. Na verdade, lá nem tudo está bem. O Reino Unido tem um orçamento militar bastante grande que tradicionalmente está orientado para o desenvolvimento das forças navais. Por isso não vale queixarem-se de um frágil poder naval do Reino Unido — isso não é assim", opina o especialista militar.

Para ele, outra questão é que a Inglaterra considera regiões globais como esfera dos seus interesses. A propósito, ela age ativamente inclusive nas águas costeiras russas. Os navios britânicos aparecem com frequência nos nossos mares do norte, no Báltico e até no mar Negro.

"O Reino Unido considera sempre como insuficiente sua presença naval. O domínio tradicional da Britânia sobre os mares, que nos últimos tempos deixou de existir, ficou nas cabeças dos militares e políticos britânicos. As ambições globais inglesas ficaram, mas para garanti-las é preciso ter uma força naval correspondente. Mas o Reino Unido de hoje, com certeza, tem uma força naval insuficiente", concluiu Aleksei Podberezkin.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas