Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Especialista revela arma crucial dos EUA para operações na Síria

Um analista militar estadunidense indicou que caças de decolagem vertical e tropas aerotransportadas desempenharão um papel crucial nas operações que decorrerão no Oriente Médio e na região da Ásia-Pacífico durante o século XXI.


Sputnik

No artigo para a revista The National Interest, o especialista e também vice-presidente do Instituto Lexington, Dan Goure, afirma que aeronaves capazes de decolar de porta-aviões são adequadas para tarefas de inteligência e eliminação de alvos inimigos.


F-35 Lightning II | Reprodução


Além disso, ele salientou que as informações recolhidas por um avião seriam úteis para garantir a eficácia das operações terrestres na área costeira.

Em particular, o especialista sublinhou o papel que poderia desempenhar o caça F-35B Lightning II que, em sua opinião, seria um equipamento militar útil nos confrontos no Oriente Médio e em situações perigosas que acontecem no mar do Sul da China.

O possível aumento das tensões exigirá que o Exército dos EUA exerça mais esforços e tenha mais capacidades de combate. Em particular, as Forças Anfíbias, segundo o especialista.

Como exemplo, o analista referiu-se à situação na Síria. Na sua opinião, a presença de porta-aviões capazes de transportar F-35B no mar Mediterrâneo seria um fator essencial para alcançar eficiência de combate na região.

Nessa conexão, o analista também chamou atenção para a forte presença russa no Mediterrâneo e, portanto, espera que o fortalecimento das tropas anfíbias e a participação do Lightning II aumente a capacidade das Forças Armadas estadunidenses, necessária para cumprir as tarefas militares na área.

No entanto, Goure confessou que a produção do caça norte-americano de quinta geração é considerada um dos projetos mais problemáticos da indústria militar dos EUA.

Ao falar sobre as razões dessa situação, o especialista apontou para o fato que o desenvolvimento da aeronave exige cada vez mais dinheiro, já para não falar de que seu design e fabricação têm sido acompanhados por dificuldades constantes.

Assim, o Pentágono detectou 1.000 deficiências na aeronave e reduziu deliberadamente os padrões dos testes para que o F-35 pudesse ultrapassá-los.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas