Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Exército israelense diz que apresentou à Rússia dados 'exaustivos' sobre abate do Il-20

Na sequência das declarações feitas nesta manhã (23) pelo Ministério da Defesa da Rússia, o exército israelense se apressou a tornar pública uma nota à imprensa dizendo que a Força Aérea de Israel não tinha "se escondido" por trás do Il-20 da Força Aeroespacial da Rússia durante sua operação na Síria.


Sputnik

Aliás, o comunicado afirma que o mecanismo para evitar conflitos foi ativado em momento oportuno, como tem sido feito durante os últimos dois anos e meio, em concordância com os acordos bilaterais.

Caça F-15 da Força Aérea de Israel
F-16 Fighting Falcon israelense © AP Photo / JACK GUEZ

Tel Aviv reiterou também que no momento em que o Il-20 foi abatido por um míssil antiaéreo sírio, os caças israelenses já se encontravam no "espaço aéreo deles".

A nota sublinha, entre outras coisas, que a segurança e o bem-estar dos militares russos que atuam na Síria é um "componente central" para Israel quando este efetua o planejamento de qualquer operação na área.

"As Forças de Defesa de Israel vão continuar empreendendo todas as medidas para alcançar esse objetivo, tal como tem sido até o presente", diz o documento, se referindo à abordagem do exército em relação à segurança dos efetivos russos.

Reiterando seu "não envolvimento" no abate do Il-20, o exército israelense voltou a expressar condolências ao povo russo e às famílias dos militares mortos.

Além do mais, Israel assegurou que continuará suas atividades militares na Síria a despeito do recente incidente.

"As Forças de Defesa de Israel continuarão atuando em concordância com as ordens do governo do país, contra as tentativas constantes dos iranianos de fixarem sua presença militar na Síria e equiparem a organização terrorista Hezbollah com armamentos letais e de precisão", diz a nota.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas