Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: Rússia e Turquia decidirão que grupos deixarão zona de Idlib

Rússia e Turquia irão determinar em conjunto quais grupos radicais deverão deixar o território da zona desmilitarizada de Idlib, na Síria, segundo afirmou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, neste domingo.
Sputnik

"Durante negociações sobre Idlib em Sochi, nós decidimos estabelecer uma zona desmilitarizada entre os territórios controlados pela oposição e pelo regime. A oposição permanecerá nos territórios que ela ocupa. Vamos garantir que os grupos radicais, designados em conjunto com a Rússia, não operem na região", disse Erdogan em artigo publicado pelo jornal russo Kommersant

Ainda de acordo com o líder turco, Washington segue atrapalhando o equilíbrio na região com seu apoio às Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) e ao Partido da União Democrática (PYD) na Síria, considerados adversários de Ancara.

"Infelizmente, vemos que o apoio extraordinário que tem sido prestado recentemente, especialmente pelos Estados Unidos, às forças do YPG e do PYD, continua. Tais …

Exércitos russo e chinês podem funcionar de forma integrada graças a manobras Vostok 2018

Hoje começam as maiores manobras militares da moderna história russa, Vostok 2018. O especialista militar Aleksandr Zhilin comenta ao serviço russo da Rádio Sputnik os principais objetivos dos treinamentos.


Sputnik

No Extremo Oriente começaram as maiores manobras militares da história moderna da Rússia, Vostok 2018, comunicou o Ministério da Defesa russo. Os treinamentos decorrerão no período de 11 a 17 de setembro, comandados pelo ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, sendo os maiores nos últimos 37 anos.

Trens com militares e equipamentos do exército da China que participarão nas manobras Vostok 2018
Blindados chineses transportados por trem para o Vostok 2018 © Sputnik / Evgeny Yepanchintsev

As manobras contarão com a participação de quase 300 mil militares do Distrito Militar Oriental e Central, forças da Frota do Norte, unidades das Tropas Aerotransportadas, aviação da Força Aeroespacial, incluindo a aviação estratégica. Além disso, das manobras estão participando militares da China e da Mongólia.

No decorrer das manobras será treinada a interação entre agrupamentos militares de vários ramos das Forças Armadas, nos interesses da segurança da Rússia. O objetivo principal é verificar como as autoridades de comando militar estão preparadas para planejar e efetuar o reagrupamento de destacamentos a grandes distâncias, como interagem as forças terrestres e navais. Além disso, os comandantes e estados-maiores devem aperfeiçoar as competências de comando das forças.

O elemento principal das manobras é a possibilidade de treinar ações de combate em conjunto com a China, comenta o diretor do Centro de Estudos de Problemas Sociais Aplicados de Segurança Nacional, Aleksandr Zhilin, ao serviço russo da Rádio Sputnik.

"Quero destacar particularmente que se trata não apenas de atrair pessoal e grande quantidade de equipamento militar, aviões, veículos blindados, tanques e etc., trata-se de exercícios de comando, com a utilização de novas tecnologias, com um aliado como a China. São componentes importantíssimos, porque nós de fato demostramos que o Oriente está protegido por duas grandes potências", opina o especialista militar.

Segundo ele, esses exercícios mostram que tanto o Exército russo, como chinês possuem relações não apenas de aliados, mas "podem funcionar como um todo integrado".

"Anteriormente, quando nós realizávamos exercícios conjuntos com a China, o sistema de comando era outro — a China se punha de lado e dirigia as suas forças independentemente. Agora todo o espetáculo militar que vemos está sendo dirigido por centros únicos, o que é muito importante", comentou Aleksandr Zhilin.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas