Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Gen Ex Azevedo – Ao passar a chefia do EME cobra melhoria de salário nas Forças Armadas

O general Fernando Azevedo e Silva, em discurso feito ontem na despedida do cargo de chefe do Estado-Maior do Exército, queixou-se da queda dos recursos destinado às Forças Armadas nos últimos anos e dos salários pagos aos militares.


Tânia Monteiro | O Estado de S.Paulo
DefesaNet

BRASÍLIA - As afirmações foram feitas no mesmo dia em que o presidente Michel Temer fechou com a equipe econômica o projeto de Lei Orçamentária Anual de 2019, que será encaminhado ao Congresso, com cortes em projetos das Forças. “As Forças Armadas vêm sendo submetidas a desafios alheios à nossa destinação principal, sem receber merecido reconhecimento”.

Passagem da chefia do Estado-Maior do exército, do Gen Ex Azevedo (E) para Gen Ex Paulo Humberto, em solenidade comandada pelo Gen Ex Villas Boas.

O oficial, que transmitiu o cargo general Paulo Humberto César de Oliveira, também reclamou da falta de reconhecimento pelo trabalho que dos militares no País. “Não entendemos certos descasos dos governantes em relação aos nossos principais anseios e necessidades.”

Sem citar o processo eleitoral, defendeu a “conciliação tão necessária neste momento”, rechaçando atitudes “revanchistas baseadas no ódio”.

De acordo com o general, para atender a tantas convocações de exercer missões com “necessidades tão heterogêneas e urgentes” em vários pontos do país, “exigem preparo esmerado, recursos condizentes e remuneração compatível”.

Em seguida, o ex-chefe do EME citou palavras do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, presente ao evento, que em seguidos discursos, tem defendido “princípios da legalidade, normalidade e moralidade”, além da “prática democrática e o fortalecimento das instituições”.

O general recordou que nos últimos dois anos chefiou um Estado Maior durante “um período turbulento, com crise econômica, social, política e moral”, e disse que, neste período, “a imagem do Exército se fortaleceu ainda mais”.

Na cerimônia, o general Villas Bôas disse que “a credibilidade” da Força, se reflete essa nova convocação do Exército, há dois dias, para executar missão de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), em Roraima, além dos trabalhos que já estavam sendo desempenhando no Estado.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas