Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

General sírio desvenda objetivo escondido das manobras russas no Mediterrâneo

A Rússia acaba de iniciar as maiores manobras da sua Marinha no Mediterrâneo que decorrerão até 8 de setembro. Em uma conversa com a Sputnik, o especialista militar e general de brigada aposentado sírio, Ali Maqsud, disse que os respectivos exercícios ajudarão a Síria a se defender da agressão dos inimigos.


Sputnik

Hoje em dia, contra a Síria se está travando uma guerra tanto pelas forças internacionais, quanto regionais, disse o analista. Assim, conta ele, no momento atual o exército sírio está realizando ativamente uma ofensiva contra os terroristas no sul do país e se preparando para uma batalha de grande envergadura na província de Idlib. Eventualmente, isto não agrada aos militantes e seus patrocinadores, por isso estes pretendem fazer todo o possível para parar a ofensiva das tropas de Assad, explica Maqsud.

Fragata russa Admiral Grigorovich no estreito do Bósforo rumo ao mar Mediterrâneo, 7 de abril 2017
Fragata russa Admiral Grigorovich no Mar Mediterrâneo © REUTERS / Yoruk Isik

"Nessas condições, o verdadeiro objetivo das manobras russas no Mediterrâneo é realizar um ataque preventivo contra a agressão que está sendo preparada. A preparação e a realização das manobras pressupõem uma parceria da Rússia com seus aliados ao nível político e diplomático", disse ele à Sputnik Árabe.

"O resultado desses exercícios é a estabilidade na região. Os Capacetes Brancos e organizações semelhantes não poderão efetuar uma provocação com uso de armas químicas ou algo dessa espécie. Os países da região melhoraram suas relações e sua coordenação. Através dos intermediários russos, o Irã confirmou que está trabalhando e vai continuar a trabalhar para construir a estabilidade e paz na região", prosseguiu.

General aposentado acredita que os EUA estão recuando em seu plano de ofensiva. "Os norte-americanos instalaram na base de Shaddadi, na província de Al-Hasakah, no norte da Síria, sistemas de radar cujo principal objetivo é defensivo. Esse conjunto deve defender a base dos ataques aéreos. Acredito que eles estão se preparando para se defenderem", opinou.

Deste modo, ressalta o militar sírio, a situação na Síria está se desenvolvendo contra as ambições e os planos do Ocidente. Os curdos, por exemplo, estão travando ativamente negociações com o governo de Assad, o que desmantela totalmente os planos para uma divisão do país, adianta.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas